Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Para aliados, Bolsonaro está cada vez mais distante e dissonante

O presidente cria crises para mostrar que ainda governa e o candidato à reeleição tenta demonstrar que ainda tem fôlego para subir nas pesquisas

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 29 jun 2022, 12h57 - Publicado em 29 jun 2022, 08h00

Uma semana atrás, Jair Bolsonaro reivindicava a instalação de uma comissão parlamentar de inquérito contra o próprio governo. Queria investigar a formação de preços e de salários na Petrobras.

Retirou a ideia de circulação, quando aliados o advertiram sobre a trapalhada — governo investigar o governo em plena temporada eleitoral é quase o mesmo que Bolsonaro ir às ruas pedir voto para os adversários.

Uma semana depois, o candidato à reeleição está empenhado em desmontar outra CPI, sobre desvios no Ministério da Educação, com o ex-ministro Milton Ribeiro acusado de deixar roubar. Bolsonaro correr contra o relógio, para garantir que a CPI não seja instalada no Senado, pelo menos antes da eleição.

No meio do caminho, surgiu outra crise. Ontem, o candidato à reeleição recebeu por dez minutos um dos seus militantes favoritos, Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal.

Continua após a publicidade

Não se sabe o que conversaram, mas será surpresa no Congresso se Guimarães continuar no governo. Ele está sendo investigado por assédio, moral e sexual, contra subordinadas no banco público, como relatou o repórter Rodrigo Rangel, do portal Metrópoles.

Num ambiente eleitoral contaminado pela crise econômica, onde a cesta básica de alimentos já consome mais da metade de um salário mínimo (R$ 1.212), o presidente cria crises para mostrar que ainda governa. E o candidato à reeleição tenta demonstrar que ainda tem fôlego para avançar nas pesquisas, é competitivo e possui perspectiva de continuidade no poder.

Os dois Bolsonaro, porém, parecem cada vez mais distantes aos olhos e dissonantes aos ouvidos dos aliados, à deriva numa realidade melancólica de fim de governo e estacionado nas pesquisas eleitorais a uma dúzia de semanas da eleição.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.