Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

O super aumento salarial dos ministros

Reajuste de até 69% nos salários da cúpula do governo corrói o que restava de chance de aprovação de uma reforma administrativa no Congresso

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 14 Maio 2021, 11h36 - Publicado em 14 Maio 2021, 09h30

Com uma canetada, o governo corroeu sua réstia de chance de aprovar uma reforma administrativa.

Ontem, não havia no Congresso quem apostasse um único centavo do desvalorizado real no futuro do projeto de emenda constitucional (nº 32) apresentado pelo Ministério da Economia para mudar as regras do serviço público.

LEIA TAMBÉM: O bilionário custo de 69 mil cargos inexistentes

O plano era ambicioso. Pretendia mudar nada menos que 114 dispositivos da Constituição, modificando 27 trechos e introduzindo outros 87, em quatro artigos inteiros, e com previsão de uma série de leis ordinárias e complementares.

Continua após a publicidade

A resistência já era enorme e se multiplicou com a descoberta de aumentos salariais de até 69% autoconcedidos pela cúpula do governo, em plena pandemia e no limiar de um “apagão” em serviços essenciais na Saúde e na Educação por causa dos cortes orçamentários.

A autorização dos reajustes nos salários do presidente, vice e ministros permite até remunerações acima do limite fixado na Constituição. Saiu em portaria do Ministério da Economia editada em 29 de abril.

O ministério é autor do projeto de reforma administrativa, cujo objetivo seria reduzir em R$ 350 bilhões em uma década a despesa com a folha de pagamento de servidores públicos. Previa, entre outras coisas,  restrição do prêmio da estabilidade no emprego público, limitado às carreiras classificadas como típicas de Estado — diplomacia, por exemplo.

Continua após a publicidade

Ontem começou a tramitação de uma dúzia de iniciativas legislativas para anular o aumento salarial da cúpula do governo.

“É inconstitucional e fere a moralidade administrativa”, argumenta o autor de um dos projetos, Rubens Bueno (Cidadania-PR). Ele também é o relator da proposta de lei para proibir supersalários na administração pública. Há três anos ela está estacionada na fila de votações do plenário da Câmara.

+ Cresce o risco de um “apagão” nos serviços públicos federais

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.