Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

O cálculo de Lula para negociar com o Centrão

Em 2003, o PT elegeu 90 deputados e ele foi buscar o restante no Centrão. Deu no mensalão. Agora, aposta na federação partidária

Por José Casado Atualizado em 17 jan 2022, 04h57 - Publicado em 17 jan 2022, 08h00

Lula sonha com uma Federação de Esquerda, que a esquerda chama de Federação de Lula, para eleger uma bancada de 180 a 220 deputados.

Nessa projeção, o PT cresceria de 53 para cerca de 80 deputados.

A cúpula petista considera viável, por isso insiste na federação. Convidados para esse baile, como o PSB e o PDT, relutam por medo de acabar tragados na voragem petista — a do vício na hegemonia.

O cálculo lulista tem como medida a necessidade de, se eleito, negociar em condições paritárias com o agrupamento conhecido como Centrão, que reúne o PP, o PL e Republicanos.

Quem quer que seja eleito, terá que negociar com o Centrão, massa disforme mas homogênea no pragmatismo, hábil na costura de aliança com qualquer que seja o governo em troca do comando de áreas-chave da administração federal. Suprapartidário, o Centrão não tem endereço, CNPJ, CPF, placa na porta de gabinete.Não é de direita, de centro ou de esquerda. Ele é do Orçamento.

É no orçamento que está o problema do futuro governo. O Centrão, com cerca de duas centenas de votos na Câmara, fez um acordo com Jair Bolsonaro, candidato do PL, e ambos levaram as contas públicas ao um nível de descontrole sem precedentes.

Na prática, o governo administra 3% a 4% do orçamento – a maior fatia é para o pagamento de juros da dívida pública e despesas obrigatórias, como salários e Previdência Social.

Centrão e Bolsonaro turbinaram um orçamento paralelo que fez minguar a capacidade de investimentos públicos. Os adversários de Bolsonaro, como Lula, planejam mudar o jogo do orçamento. Mas, para isso, precisam de votos no plenário da Câmara.

Entre 180 e 220 é o mínimo para uma base parlamentar, tem repetido Lula em reuniões. Em 2003, quando o PT elegeu 90 deputados, ele foi buscar o restante no Centrão da época. Deu no mensalão, de memória traumática. Aposta na federação partidária como alternativa.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês