Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Bolsonaro ganha fôlego na disputa com Lula

Pesquisas indicam avanço, principalmente em São Paulo. "Apesar da aparência de cachorro morto, pode crescer na periferia", diz Guilherme Boulos, do PSol

Por José Casado Atualizado em 20 fev 2022, 08h02 - Publicado em 19 fev 2022, 08h00

Ontem à noite, o candidato do Psol ao governo de São Paulo Guilherme Boulos usou uma rede social para mandar uma mensagem aos seus aliados do PT: “[Jair] Bolsonaro, apesar da aparência de cachorro morto, pode crescer onde hoje as pesquisas menos indicam: o eleitorado popular, as periferias do Brasil” — escreveu numa rede social.

Boulos concorreu à Presidência da República na eleição vencida por Bolsonaro, em 2018. Terminou em 10º lugar, com 617 mil votos (0,58% do total).

Dois anos depois, surpreendeu na disputa pela prefeitura da capital paulista: perdeu para o falecido Bruno Covas (PSDB), mas saiu do segundo turno com 2,1 milhões de votos (32%).

Aos 39 anos, psiquiatra e integrante do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MST), Boulos conhece a vida na periferia paulistana — mora em Campo Limpo, na Zona Sul, onde estão seis dos dez bairros mais afetados pela pandemia.

Aliado de Lula, favorito nas pesquisas, ele percebeu indícios de avanço do adversário, e resolveu registrar, preocupado com o clima de “já ganhou” no PT que, aparentemente, distancia da periferia urbana, onde a força da pressão eleitoral do governo começa a ser percebida.

“Lula é favorito, mas a eleição não está ganha”, insistiu. “Pode parecer um contrassenso, dada a popularidade de Lula entre os mais pobres e particularmente no Nordeste. Mas não é.”

“Seria um erro grosseiro subestimar o efeito de um benefício de R$ 400 para 18 milhões de famílias brasileiras que se encontram na extrema pobreza”— exemplificou. “É a diferença entre comer ou não. Ser despejado ou conseguir pagar o aluguel. Não é pouca coisa em tempos de vacas magras.”

Acrescentou: “Que o Auxílio Brasil seja uma jogada eleitoreira, que tem prazo de validade no fim do ano; que a fome, a inflação e a estagnação econômica foram produzidas pela política deste mesmo governo – tudo isso, quem está no calor da luta política sabe. Mas pode não surtir tanto efeito diante da sensação de melhora de vida para milhões de pessoas atiradas no desespero.”

Novas sondagens eleitorais sinalizam, em fevereiro, avanço de Bolsonaro. Variam as metodologias aplicadas, mas o aspecto comum é a tendência de redução da vantagem mantida por Lula nos últimos oito meses.

A diferença caiu de 14 pontos percentuais para 9 pontos nas últimas quatro semanas, por exemplo, na pesquisa divulgada pelo PoderData, com 3 mil entrevistas telefônicas realizadas entre os últimos dias 13 e 15.

Continua após a publicidade

Nela, Lula lidera (40%), seguido por Bolsonaro (31%), Sergio Moro (9%) e Ciro Gomes (4%). Não há crescimento expressivo de Bolsonaro, mas indício de que ele tende a ganhar fôlego.

Esse movimento se torna mais visível no Estado de São Paulo, maior colégio eleitoral do país.

A maioria (56%) dos 33 milhões de eleitores reprova o governo Bolsonaro, classificando-o como “ruim” ou “péssimo”. No entanto, um de cada cinco paulistas julga relevante a influência presidencial na decisão de apoiar um candidato ao governo estadual. Foi o que apurou o instituto Ipespe em mil entrevistas telefônicas realizadas entre os últimos dias 14 e 16 em todo o Estado.

.
Ipespe, pesquisa no Estado de São Paulo feita entre 14 e 16 de fevereiro/VEJA

Só na contagem de votos, em outubro, se poderá dimensionar o tamanho da preferência dissimulada, oculta ou envergonhada, que aparentemente existe no eleitorado paulista pela reeleição de Bolsonaro.

Os reflexos, porém, estão delineados numa surpresa eleitoral bolsonarista, constatada pelo Ipespe: a competitividade do candidato escolhido por Bolsonaro para disputar o governo paulista.

.
Ipespe, pesquisa no Estado de São Paulo feita entre 14 e 16 de fevereiro/VEJA

Tarcísio de Freitas (PL), 46 anos, carioca, engenheiro militar e ministro da Infraestrutura, não tem histórico nem traço de intimidade com a política em São Paulo, mas já aparece em segundo lugar na preferência de voto para o governo estadual.

Na pesquisa espontânea tem 5% das intenções, um ponto abaixo do ex-prefeito paulistano Fernando Haddad (PT) e um à frente do governador João Doria (PSDB) e do ex-governador Márcio França (PSB).

Quando seu nome é associado a Bolsonaro, ele vai a 25% — fica 13 pontos abaixo de Haddad (38%), mencionado com o apoio de Lula e do ex-governador Geraldo Alckmin (sem partido). E se destaca com vantagem de 15 pontos em relação ao vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB), candidato apoiado por João Doria.

Se confirmada a tendência, o verão terminaria com uma disputa mais acirrada pela presidência,  dando razão a Boulos: “cachorro morto” só na aparência.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)