Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Jorge Pontes Jorge Pontes foi delegado da Polícia Federal e é formado pela FBI National Academy. Foi membro eleito do Comitê Executivo da Interpol em Lyon, França, e é co-autor do livro Crime.Gov - Quando Corrupção e Governo se Misturam.

O messias da bandidagem

"Alguém vazei, não sei quem fui..."

Por Jorge Pontes 24 jun 2022, 16h43

Os últimos acontecimentos da Operação Acesso Pago, da Polícia Federal, que prendeu o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, prometem abalar a já escassa credibilidade do presidente Jair Bolsonaro.

O presidente surgiu nos áudios interceptados pela Polícia Federal como uma espécie de informante do principal alvo da operação. Bolsonaro teria alertado Ribeiro sobre buscas e apreensões que a PF planejava realizar em seus endereços. Enfim, fez o papel do messias, do “salvador ansiosamente esperado”, só que em favor dos que faziam tráfico de influência em troca de barras de ouro e propinas.

Mais uma vez se comprova que Sergio Moro estava certo quando saiu do Ministério da Justiça atirando e dizendo que o que Bolsonaro desejava com as mudanças que propunha obsessivamente era apenas controlar a PF.

E era exatamente esse tipo de situação que o presidente desejava: ter a seu dispor quem o municiasse, de dentro da PF ou do MJ, com dados sigilosos sobre operações em andamento.

E de fato logrou êxito, ao colocar no comando da polícia judiciária da União e do Ministério da Justiça uma sucessão de delegados pets, que vinham de longos períodos de cessão, e sem história nenhuma de polícia.

Só podia dar no que deu.

Alguns desses delegados foram longe demais com o bolsonarismo e parece que não têm mais como retroceder. Se tornaram parte da sua tropa de choque.

Enfim, por conta de situações como essa, esses anos de Bolsonaro no Planalto têm desgastado terrivelmente a imagem da Polícia Federal, instituição que gozava de enorme credibilidade com a população brasileira.

Hoje a conversa esfarrapada do presidente é que a corrupção do governo dele é diferente dos casos anteriores. Realmente, agora mudou, pois os esquemas ilegais e os trambiques são todos conduzidos em nome de Deus…

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)