Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Em Cartaz

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

Novo ‘Sobrenatural’ mira no terror, mas acerta em quadro do Gugu

Quinto filme da franquia promete retorno às raízes, mas resulta em história mecânica no estilo 'Lendas Urbanas'

Por Thiago Gelli Atualizado em 14 Maio 2024, 00h24 - Publicado em 7 jul 2023, 18h25

Quando o primeiro filme da franquia de terror Sobrenatural espalhou calafrios pelo mundo, em 2010, o longa rapidamente ascendeu como um dos mais assustadores da história e alavancou a carreira do cineasta James Wan e do protagonista Patrick Wilson — que logo repetiriam a parceria com Invocação do Mal três anos depois. O êxito da fórmula, porém, não seria de longo prazo. Após a primeira sequência, Wan abandonou a direção do universo, e assim deixou seus sucessores à deriva e, inevitavelmente, à sombra de seu trabalho. Treze anos depois, o astro Patrick Wilson, então, decidiu encarar o desafio de revitalizar a história da família Lambert, seguindo os passos que Anthony Perkins trilhou ao dirigir Psicose 3. Diferentemente do pupilo de Hitchcock que se revelou um apto cineasta, entretanto, Wilson realiza um trabalho tão metódico quanto preencher um livro de colorir.

Sobrenatural: A Porta Vermelha retoma a história de Josh (Wilson) e Dalton (Ty Simpkins), pai e filho capazes de viajar para o Além e, lá, evocar espíritos bons ou ruins. Anos após seu último encontro com o oculto, ambos estão sob efeito de hipnose e não se recordam nem do passado conturbado, nem de suas habilidades esotéricas. Quando Dalton parte para a faculdade de artes visuais, seu subconsciente passa a borbulhar com lapsos de memória de sua infância assombrada e, assim, a porta para o mundo insidioso que tanto o feriu é reaberta — e dá passagem à monstruosidade de rosto vermelho que é marca da franquia. 

O retorno às raízes, porém, não traz nada à série de filmes além de vinhetas repetitivas que antecipam sustos frívolos ancorados em atuações apáticas. O ex-ator mirim Ty Simpkins, por exemplo, substitui a inocência infantil de Dalton por estereótipos unidimensionais de rebeldia, mesmo simplismo presente na melancolia de Josh, cujas expressões chorosas parecem contraditórias ao roteiro prático e cômico escrito por Scott Teems, roteirista que equilibrou melhor o frenesi e o melodrama em Halloween Kills: O Terror Continua. Junto à dramaturgia jovem e o cenário universitário, o longa se assemelha a um episódio descartado de Buffy, A Caça-Vampiros, ou até mesmo a uma esquete de Lendas Urbanas, antigo quadro do Domingo Legal apresentado por Gugu — A Porta Vermelha se beneficiaria, inclusive, caso aderisse de vez à ironia destas produções.

Continua após a publicidade

É, aliás, na danação do plano espiritual que o filme encontra seu melhor refúgio: sob luzes azuis e vermelhas, os personagens perambulam por corredores góticos repletos de velas, descobrem um salão de festas tomado por manequins e até reencontram o extravagante vilão de Sobrenatural 2, um serial killer vestido de senhora indefesa. Infelizmente, é tudo rápido demais, e nada assertivo o suficiente para espantar a terrível inocuidade do resto do longa, que implora pela liberdade de ser um filme B. 

Uma das maiores apostas da produtora de terror Blumhouse, a franquia principal se encerra aqui, mas ainda tem fôlego para spin-offs, e o primeiro já foi anunciado: Thread: An Insidious Tale ainda não tem data de estreia ou título nacional, mas deve ser protagonizado por Mandy Moore e Kumail Nanjiani. Talvez, desta vez, o horror primal volte ao Além.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.