Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

Como ‘The Flash’ foi de aposta da DC a fiasco de bilheteria

Filme decepcionou na hora de atrair o público – e a má fama do astro-problema Ezra Miller se revelou um problema maior do que esperado

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 26 jun 2023, 18h15 - Publicado em 26 jun 2023, 12h00

O inferno astral da DC Studios, responsável pela adaptação das tramas de heróis como Batman e Superman, ainda está longe de chegar ao fim. Encavalando lançamentos de pouco apelo com a crítica e o público, como o sofrível Adão Negro – e até mesmo o engavetamento de um filme pronto –, o estúdio apostou alto ao lançar, há duas semanas, The Flash, estrelado por Ezra Miller. Em seu primeiro fim de semana em cartaz, a produção deixou a desejar nas bilheterias americanas – somado ao resultado mundial, o número até foi expressivo: o longa arrecadou 130 milhões de dólares no total. Mas o baque definitivo se revelou nesta segunda-feira, 26, com os dados da segunda semana em cartaz: The Flash caiu mais de 70% no mercado americano e ficou atrás das animações Homem-Aranha: Através do Aranhaverso e Elementos. Para pagar todo o investimento feito nele, o longa precisa passar de 600 milhões de dólares em bilheteria — por hora, ele está com 210 milhões. 

A queda vertiginosa comprovou uma suspeita que assombrava a produção: é real a rejeição ao astro-problema Ezra Miller. Apesar de ser um filme de qualidade superior em comparação aos longas mais recentes da casa, The Flash não conseguiu amenizar a sequência de polêmicas nas quais o ator de 30 anos se envolveu nos últimos anos, entre elas acusações de agressões e até mesmo prisões. O discurso de redenção, no qual ele afirma estar se tratando de problemas mentais agravados por abusos na adolescência, parece não ter sido suficiente para atrair a simpatia do público. 

Antes mesmo de se tornar rosto familiar ao noticiário policial, Miller já enfrentava outra rejeição. Em exibição desde 2014 no canal pago Warner, e também na Netflix, a série The Flash transformou o ator Grant Gustin, que dá vida ao herói na atração, um queridinho do público – e não faltou torcida para que ele repetisse o papel nos cinemas. 

À beira de uma reformulação drástica, com James Gunn, de Guardiões da Galáxia à frente, marcada para começar em 2025, a DC Studios ainda prevê lançar neste ano um filme com Aquaman e Besouro Azul – que traz a brasileira Bruna Marquezine no elenco. Fica a dúvida se algum deles vai lavar a alma do estúdio antes da aguardada mudança.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.