Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

As falhas apontadas em julgamento de morte no set de filme de Alec Baldwin

Armeira do longa, Hannah Gutierrez Reed responde por homicídio culposo, mas testemunha apontou outros culpados pela falta de protocolos na produção

Por Amanda Capuano Atualizado em 9 Maio 2024, 11h33 - Publicado em 6 mar 2024, 14h44

O julgamento da armeira Hannah Gutierrez Reed pela morte da diretora Halyna Hutchins nas gravações do filme Rust — protagonizado por Alec Baldwin, o autor do disparo acidental que acertou Halyna e o diretor Joel Souza — está acontecendo essa semana no Novo México. A defesa da armeira argumenta que a ré está sendo usada como bode expiatório para os erros cometidos por Baldwin. Uma testemunha da tragédia relatou que a profissional não teria tido tempo de assegurar a ausência de munições verdadeiras entre os materiais de filmagem. “Concluímos que ela não teve tempo para desempenhar suas funções com a melhor diligência. O empregador pedia a um indivíduo que desempenhasse múltiplas funções relacionadas à segurança, ao mesmo tempo em que lhe dizia que estava gastando muito tempo com essas funções”, declarou Lorenzo Montoya, investigador da agência de Administração de Segurança e Saúde Ocupacional Local (OSHA).

Em seu depoimento, Montoya culpou a equipe administrativa de Rust pelas falhas de segurança que levaram ao tiro fatal, entre elas o fato de Hannah, que responde por homicídio culposo, ter sido redirecionada para outras tarefas e afastanda de suas responsabilidades como armeira do filme. O investigador também alegou que ela não tinha autoridade para tomar decisões sobre o treinamento de segurança com armas no set, e disse que a produção não tinha políticas em vigor para evitar que munições falsas fossem contaminadas com balas reais, culpando a administração do filme pela tragédia. “Eles adotaram políticas de segurança para armas de fogo, mas falharam totalmente em aplicá-las, treinar seus funcionários sobre elas, praticá-las e referenciá-las”, disse Montoya.

Apoiado nas conclusões da Administração de Segurança e Saúde Ocupacional do Novo México, a defesa de Hannah alega que a armeira é um bode expiatório para os erros cometidos por Alec Baldwin e outros membros da equipe de produção do longa, que não teriam seguido adequadamente as regras de segurança da indústria. A promotoria, por sua vez, alega que Hannah teve tempo livre na manhã em que Halyna foi baleada, e que é função do armeiro garantir que as armas sejam usadas com segurança no set.

O que aconteceu em Rust

No dia 21 de outubro de 2021, Alec Baldwin se preparava para filmar uma cena do filme de faroeste em que sacava uma arma quando ela disparou. A pistola estava carregada com balas reais e atingiu Halyna Hutchins no peito e o diretor Joel Souza no ombro, matando a diretora de fotografia. A armeira do filme, Hannah Gutierrez Reed, teria carregado por engano uma bala real na arma de Baldwin, que deveria conter apenas munição cenográfica. Os dois respondem pela acusação de homicídio culposo e adulteração de provas, e Baldwin vai a julgamento em julho.

Continua após a publicidade

Caso sejam condenados, os réus podem pegar até 18 meses de prisão, a pena máxima prevista para o crime de homicídio culposo (quando não há a intenção de matar) no Novo México, estado americano responsável pela investigação do caso. O filme, por sua vez, foi finalizado no primeiro semestre de 2023 e agora busca por distribuidoras ao redor do globo.

Acompanhe notícias e dicas culturais nos blogs a seguir:

Tela Plana para novidades da TV e do streaming
O Som e a Fúria sobre artistas e lançamentos musicais
Em Cartaz traz dicas de filmes no cinema e no streaming
Livros para notícias sobre literatura e mercado editorial

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.