Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

A relação turbulenta de Angelina Jolie com o pai religioso, Jon Voight

Ator publicou vídeo em que diz que Jolie 'não tem nenhuma compreensão da honra ou das verdades de Deus' — atriz pede por cessar-fogo em Gaza

Por Da Redação Atualizado em 9 Maio 2024, 20h17 - Publicado em 6 nov 2023, 14h57

Angelina Jolie e o pai, Jon Voight, acabam de se desentender em público devido a discordâncias sobre o conflito entre Israel e a Faixa de Gaza, mas a desavença familiar é de longa data — e começou quando a atriz tinha apenas 1 ano de idade. Em 1975, Voight, astro de clássicos como Perdidos na Noite (1969), teve Jolie com sua então esposa Marcheline Bertrand. Um ano depois, ele a traiu e abandonou a família, deixando a criação de Angelina e James Haven à mãe solteira, com a qual ambos tinham uma ótima relação.

Tomando o partido da mãe, eles dispensaram qualquer carência paterna — mas Voight, mesmo assim, continuou tecendo comentários públicos sobre a filha enquanto ela atingia fama global. No segundo divórcio de Jolie, por exemplo, ele declarou o desejo de que ela procurasse ajuda psicológica. Em 2007, ele lamentou ao tabloide People: “Parte meu coração que meus filhos falem de mim de maneira pejorativa”.

Em 2010, porém, ambos tiveram uma breve reconciliação com a ajuda de Brad Pitt, que fez a ponte para que o avô enfim conhecesse seus netos. Após tal encontro, a relação se apaziguou e o ator até compareceu à estreia de Na Terra de Amor e Ódio, segundo longa dirigido por ela. Desde então, porém, o contato parece ter sido suspenso novamente. Voight se tornou um dos poucos apoiadores fervorosos de Donald Trump em Hollywood, enquanto Angelina é uma de suas opositoras ferrenhas.

Na última semana, eles entraram em atrito novamente quando Jolie declarou seu apoio ao povo palestino e pediu pelo cessar-fogo na guerra israelense em sua conta do Instagram. Voight então a respondeu na mesma rede com um vídeo de 3 minutos, no qual a rechaça enquanto posa à frente de uma bandeira dos Estados Unidos.

Continua após a publicidade

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Angelina Jolie (@angelinajolie)

Continua após a publicidade

Em sua primeira postagem, Angelina afirma estar horrorizada com os ataques terroristas, reféns e mortes em Israel, mas ressalta que tal terror “não pode justificar as vidas inocentes perdidas no bombardeio da população civil de Gaza, que não tem para onde ir, nem acesso a comida ou água”. No dia seguinte, 1º de novembro, ela retornou à rede social para ilustrar suas afirmações com uma imagem do acampamento de refugiados Jabalia, ocupado por palestinos desde os anos 1940. “Este é o bombardeio calculado de uma população presa que não tem para onde fugir. Gaza tem sido uma prisão a céu aberto há quase duas décadas, e agora rapidamente se torna uma cova massiva. 40% dos mortos são crianças inocentes. Famílias inteiras estão sendo assassinadas. Enquanto o mundo assiste, e com o apoio ativo de vários governos, milhões de civis palestinos estão sendo coletivamente punidos e desumanizados.”

Continua após a publicidade
Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Angelina Jolie (@angelinajolie)

Em sua resposta, Voight afirma que Jolie “não tem nenhuma compreensão da honra ou das verdades de Deus”. Segundo o ator, o conflito atual é sobre “destruir a história da Terra de Deus, a Terra Santa, a Terra dos Judeus” e “esses animais querem exterminar judeus e cristãos”. Ele rebate a filha chamando de “mentira” a alegação de que Israel está matando inocentes: “Todos têm livre-arbítrio, mas são presos pelo país bárbaro que os utiliza como escudos. As crianças são usadas por estes animais para que todos pensem que Israel as está matando, quando esse é o plano do Hamas. Permita que as forças da verdade e da Justiça nos unam”, disse. 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Jon Voight (@jonvoight)

Atualmente, a guerra já tomou mais de 9.770 palestinos e feriu mais de 22.900, enquanto Israel teve aproximadamente 1.400 perdas e 5.400 feridos, segundo dados veiculados pelo Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.