Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Dúvidas Universais Por Duda Teixeira Os fatos internacionais que desafiam a lógica e o bom-senso explicados de maneira clara e atraente. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Por que não tem bestseller em Cuba?

Para impedir que autores fiquem influentes, a ditadura só permite que os livres tenham uma única edição

Por Duda Teixeira Atualizado em 30 jul 2020, 21h10 - Publicado em 5 dez 2016, 14h48

A censura do Partido Comunista de Cuba não autoriza que autores cubanos consagrados no exterior, como Guillermo Cabrera Infante, sejam publicados na ilha. Mas, mesmo autores leais ao regime castrita, como Leonardo Padura, não podem ser encontrados nas prateleiras.

Isso acontece porque, temerosa de que alguns escritores se tornem influentes e se voltem contra o regime, a ditadura só permite que as gráficas imprimam uma única edição. A tiragem raramente passa dos 2000 exemplares.

As livrarias, portanto, são tomadas por pilhas de autores desconhecidos, que não atraem ninguém. Em geral, só chega para a venda as obras que sobraram dos eventos públicos de lançamento, sempre patrocinados por algum órgão governamental. “A lógica aqui é diferente. Só se publicam livros com subsídio estatal, mas os ministérios não coordenam direito com as editoras e com as gráficas, o que gera muitos problemas até o produto chegar ao consumidor”, diz um funcionário de uma livraria em Havana.

Vitrine da livraria Jamis Fayad, na rua Obispo, em Havana, Cuba (Duda Teixeira)
Vitrine da livraria Fayad Jamis, na rua Obispo, em Havana, Cuba (Duda Teixeira)

Claro. Todo mundo que já foi para Cuba viu que, nas vitrines, é comum ver livros de esquerda. Há obras sobre o argentino Che Guevara, a Revolução Cubana, Fidel Castro e até sobre o Pensamento Econômico de Hugo Chávez. Para esses, a tiragem é ilimitada e os de melhor qualidade são importados. Uma das editoras mais presentes é a Ocean Sur, da Austrália, que imprime no México e na China. Mas os títulos de esquerda só têm apelo entre turistas. Os cubanos não têm interesse neles porque estão fartos de tanto ver esse assunto na escola.

Leia também:

Viagra cubano: sopa de filhote de pomba e ostra com tomate

Por que não tem salmão no restaurante japonês de Havana?

Quando acumulam algum dinheiro, os cubanos compram livros de santería, a religião afro-cubana muito parecida com a umbanda do Brasil. Eles buscam por assunto, nunca por título ou autor.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)