Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Dora Kramer Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Exonerado “a pedido”

Doria não tinha opção a não ser se render às evidências há muito tempo evidentes

Por Dora Kramer 23 Maio 2022, 13h43

João Doria não tinha outra saída a não ser desistir da candidatura, porque sua situação era semelhante à do servidor demitido que é “exonerado a pedido”. Ele demorou, mas enfim se rendeu às evidências há muito tempo evidentes: ninguém queria vê-lo presidente da República, nem o PSDB nem outros partidos nem o eleitorado.

O ex-governador foi desde o início rejeitado, a despeito dos excelentes serviços prestados ao combate à covid-19 e ao estado de São Paulo. Pecou por não reconhecer suas fragilidades principalmente decorrentes do fato de que inspira antipatia e não leva jeito para a política. Conquistou com esforço próprio a prefeitura e o governo de São Paulo e acreditou que poderia fazer o mesmo enfrentamento na disputa pela Presidência.

Não levou em conta que São Paulo é forte, mas não é o Brasil e não teve habilidade (muito menos humildade) para consertar os desacertos que ele mesmo construiu.

Alguns deles: a tentativa de expulsar Aécio Neves, a ofensiva para derrubar Bruno Araújo e assumir o comando do PSDB, a campanha desagregadora nas prévias e, depois delas, a ausência de articulação para atrair de maneira eficaz apoios dentro e fora do partido. Mais recentemente, o desastroso ensaio de recuo para ficar no Palácio dos Bandeirantes.

O último gesto, o de ameaçar resolver a candidatura na Justiça, funcionou como uma pá de cal, pois deu aos desafetos o pretexto ideal para forçá-lo a sair do jogo. Saiu vencedor das prévias e, no lugar de crescer, foi minguando até perder o apoio de seu até então maior aliado e sucessor, o agora governador Rodrigo Garcia.

João Doria pode ser, e tudo indica que seja, um excelente gestor. Mas, na política, é um desastre. E, quando se trata se eleição, até políticos que fingem não ser cria do meio o que mais fazem é política.

O que se diz no entorno do ex-governador é que a tendência dele é de novo se render às evidências e voltar para a iniciativa privada.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)