Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Claudio Lottenberg Mestre e doutor em Oftalmologia pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp), é presidente do Instituto Coalizão Saúde e do conselho do Hospital Albert Einstein

Corticoide contra Covid: só para casos graves

No debate sobre o uso do medicamento, não podemos correr risco semelhante ao que corremos com a discussão sobre cloroquina

Por Claudio Lottenberg Atualizado em 18 jun 2020, 10h00 - Publicado em 18 jun 2020, 09h57

Com mais de 30 anos de atividade médica, posso relatar experiências em que a informação incompleta acabou levando a uma inconformidade com atitudes da ciência. Quando isso acontece por entendimento equivocado por parte da população, acho até compreensível. O problema é quando essa desinformação é generalizada por certos formadores de opinião.

Há algumas semanas vínhamos debatendo o uso da cloroquina, que se mostrou inócua na aplicabilidade generalizada. Não podemos correr risco semelhante em relação ao corticoide.

Corticoides são uma classe de medicamentos de ação anti-inflamatória e imunossupressora, ou seja, são usados para suprimir os mecanismos de defesa do corpo. Trata-se de um medicamento necessário para a realização de transplantes e enxertos, por exemplo ou para evitar danos que a inflamação pode provocar.

ASSINE VEJA

Os desafios dos estados que começam a flexibilizar a quarentena O início da reabertura em grandes cidades brasileiras, os embates dentro do Centrão e a corrida pela vacina contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Esse medicamento vem de um hormônio produzido pelo nosso corpo – o cortisol. Ele é produzido nas glândulas suprarrenais. O corticoide é um derivado sintético desse hormônio, com estrutura modificada para potencializar sua ação e função no corpo.

Em março, o estudo RECOVERY (Randomized Evaluation of Covid-19 Therapy Day) foi estabelecido como um ensaio clínico randomizado (aleatório) para testar uma variedade de tratamentos potenciais para Covid-19, incluindo doses baixas de corticoide. Fato é que nos pacientes mais graves – aqueles que precisaram de ventiladores – a associação do corticoide em dose baixa reduziu a mortalidade de forma estatisticamente significante, quando comparado com pacientes em condições semelhantes que não receberam essa medicação. Não houve benefício entre os pacientes que não necessitaram de uso de ventiladores.

Achei prudente comentar esse estudo para evitar má interpretação por parte daqueles que se deixam levar por informações isoladas e podem imaginar que o uso de corticoide a partir de agora deva ser parte de um arsenal generalizado contra a Covid-19.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)