Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Clarissa Oliveira Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores

Paulo Guedes emprestou lema de Lula para explicar drible no teto de gastos

Como o discurso do ministro da Economia a representantes do mercado financeiro vem alinhado às falas do petista sobre gastos públicos

Por Clarissa Oliveira Atualizado em 4 ago 2022, 19h11 - Publicado em 4 ago 2022, 14h43

O ministro da Economia, Paulo Guedes, deu a linha de qual será o discurso adotado pelo governo para justificar o drible no teto de gastos durante a campanha eleitoral. Convidado para falar ao seu tradicional público da Faria Lima em um evento da XP Investimentos, Guedes reconheceu que, sim, o governo violou o teto de gastos. Mas foi, diz ele, pelos motivos certos.

Então você fala assim: vocês violaram o teto? A resposta: sim, nós violamos o teto. O teto é para impedir o crescimento do governo, porque nós somos liberais, nós queremos reduzir o peso do governo. Então o teto é para não deixar subir o governo. Aí chega uma doença, tem que transferir dinheiro para as pessoas. Eu estou fazendo o governo crescer? Não, estou dando um auxílio para os mais frágeis, enquanto a doença está aí ou enquanto a guerra da Ucrânia está aí, de forma que eles possam sobreviver.”

A premissa não é muito diferente da adotada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Sempre que defende o fim do teto de gastos, Lula afirma que a ideia de estancar o inchaço da máquina pública não pode vir ao custo de cortar despesas necessárias na área social.

Há, entretanto, uma diferença entre o raciocínio de Guedes e o do PT. Lula já fala de cara que é contra o teto. O ministro da Economia dá a entender que o drible foi uma coisa temporária, exigida pela pandemia. Mas a PEC Kamikaze, que deu mais um balão nos limites impostos por lei ao gasto público, veio às vésperas da eleição. E com o claro objetivo de assegurar o Auxílio Brasil de R$ 600 antes da eleição, não no auge da pandemia.

Vale lembrar que o presidente Jair Bolsonaro já fala em repetir o gesto. Afinal, foi ele quem levantou a ideia de aprovar uma nova proposta de emenda à Constituição para, quem sabe, estender o Auxílio Brasil turbinado em 2023. Isso, é claro, caso ele consiga se reeleger em outubro.

+Leia também: Aliados pedem afago de Bolsonaro a Alexandre de Moraes e o motivo é um só

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)