Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Clarissa Oliveira Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores

Aliados pedem afago de Bolsonaro a Alexandre de Moraes e o motivo é um só

Para atrair votos de centro, ala moderada da campanha defende tom conciliador antes do 7 de setembro e presença na posse do ministro no TSE

Por Clarissa Oliveira Atualizado em 4 ago 2022, 12h13 - Publicado em 4 ago 2022, 08h13

A escalada da tensão entre o presidente Jair Bolsonaro e vários setores da sociedade civil, evidenciada em iniciativas como o recente manifesto pela democracia, acendeu o sinal amarelo na campanha de reeleição. Preocupados com o perfil intempestivo do presidente, alguns auxiliares diretos passaram a defender que ele busque uma conciliação com esses setores antes das comemorações do 7 de setembro. Mesmo que a contragosto.

+Veja também: Bolsonaro diz a ministros que bateu o martelo sobre entrevista ao ‘JN’

Uma sugestão que circula entre os mais próximos ao presidente é que ele compareça à cerimônia de posse do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), como novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O evento está marcado para o próximo dia 16, às 19 horas. Dados os sucessivos embates judiciais entre Moraes e bolsonaristas, esses aliados defendem que o encontro – desde que pautado por um tom pacificador – teria uma simbologia importante para esta etapa da corrida presidencial.

Embora não seja unanimidade, essa ala mais moderada do time presidencial defende que Bolsonaro tenha o cuidado de não repetir o comportamento que teve no Dia da Independência no ano passado, quando disparou uma sucessão de ataques ao STF. O grupo argumenta que a base tradicional do presidente caminhará com ele de qualquer jeito e que o momento é de buscar votos de quem não é “bolsonarista raiz”.

Se Bolsonaro insistir em esticar demais a corda, segundo essa premissa, o resultado pode ser uma rejeição irreversível daquele eleitor que ajudou a elegê-lo em 2018, distanciou-se a partir da pandemia e saiu em busca de uma alternativa na chamada terceira via. Dada a fragilidade dos candidatos de centro nas pesquisas de intenção de voto, esse eleitor ainda poderia retornar para o presidente. A questão é que esse mesmo eleitor está também na mira do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que age para puxar sua candidatura para o centro.

Continua após a publicidade

Apesar de se dizerem otimistas, os que defendem esse movimento não se arriscam a dizer se Bolsonaro vai de fato atender às sugestões. “O problema é que ele faz o que quer, não é um cara que escuta nem mesmo o melhor marqueteiro do mundo”, disse à coluna um interlocutor do presidente.

+Leia também: Ciro Nogueira vê pacificação no 7 de setembro: ‘Pancadaria é coisa da esquerda’

 

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)