Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Clarissa Oliveira Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores

Nova pesquisa Ipespe expõe paralisia da corrida presidencial

Mesmo com muita movimentação nas últimas semanas, o cenário da corrida presidencial mantém-se inalterado e pressiona campanhas

Por Clarissa Oliveira Atualizado em 20 Maio 2022, 17h22 - Publicado em 20 Maio 2022, 15h35

As últimas semanas foram agitadas na corrida ao Palácio do Planalto. Na dianteira da disputa, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tirou sua pré-candidatura do armário, formalizou a aliança com Geraldo Alckmin, fez uma virada completa na sua estratégia de comunicação. Teve até casamento. Já o presidente Jair Bolsonaro fez uma sucessão de jogadas estratégicas para mobilizar sua base. Do indulto a Daniel Silveira (PTB-RJ) às ações contra Alexandre de Moraes, com direito a troca de ministro para se blindar da crise dos combustíveis.

Mas nem mesmo toda essa movimentação foi capaz de interferir no cenário da disputa. A mais recente pesquisa XP/Ipespe, divulgada nesta sexta-feira, confirmou o que já despontava em levantamentos anteriores: nada mudou. O ex-presidente Lula ficou com 44%, contra 32% do presidente Jair Bolsonaro. Ciro Gomes tem 8%, João Doria tem 4%, André Janones e Simone Tebet pontuam 2% cada um.

Interlocutores de Lula têm algum motivo para comemorar. Havia uma preocupação com a retomada progressiva que Bolsonaro vinha apresentando nas pesquisas, atribuída em grande parte a medidas como a concessão do Auxílio Brasil de R$ 400. O sinal amarelo se acendeu no PT,  principalmente, por causa do constante estreitamento da distância entre os dois. Ou seja, notícia nenhuma nas pesquisas é notícia boa.

Entre bolsonaristas, o resultado das últimas pesquisas começa a derrubar o time presidencial do salto alto no qual parecia ter subido poucas semanas atrás. Assim que Bolsonaro voltou a crescer, aliados passaram a falar na expectativa de uma disparada de seu desempenho. E até começaram a alardear a tese de uma vitória no primeiro turno.

Um outro fator que contribui para esse congelamento do quadro eleitoral é a demora da terceira via em pôr ordem na casa. Enquanto persiste a briga entre João Doria (PSDB) e Simone Tebet (MDB) para ver quem tem mais chances de disputar o Palácio do Planalto, Lula e Bolsonaro ganham a oportunidade de consolidar ainda mais suas posições.

+Leia mais: Lula mantém vantagem sobre Bolsonaro, diz Ipespe

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)