Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A Virada que não está no papel

Bruno Abbud Marcelo Sono acordou antes do meio-dia no último sábado. Trocou a roupa amarfanhada, dirigiu uma Kombi branca pelos seis quilômetros que separam a Vila Mariana da Praça da Sé, no centro da capital paulista, e ali desceu com quatro amigos. Alguns moradores de rua notaram o movimento e ofereceram ajuda quando os jovens […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 15h17 - Publicado em 17 Maio 2010, 23h04
Foto: Dió

Foto: Dió

Bruno Abbud

Marcelo Sono acordou antes do meio-dia no último sábado. Trocou a roupa amarfanhada, dirigiu uma Kombi branca pelos seis quilômetros que separam a Vila Mariana da Praça da Sé, no centro da capital paulista, e ali desceu com quatro amigos. Alguns moradores de rua notaram o movimento e ofereceram ajuda quando os jovens começaram a descarregar as três toneladas de equipamentos de som que transbordavam do interior do veículo para a calçada da rua Irmã Simpliciana. Era o dia da Virada Cultural paulistana. Por isso, os guardas civis metropolitanos e os fiscais de trânsito que passavam pelo local relevaram a algazarra armada em frente do boteco de dona Vânia.

Sono, Greg Fernandes, Carlos Pappa Neggo, Luis e Jurássico, todos com menos de 25 anos, pagam até R$ 2 mil pelo disco de vinil que colocam na velha vitrola ligada ao poderoso aparato acústico ─ verdadeiras paredes formadas por caixas de som, inspiradas nos antigos sound systems jamaicanos. Sobre a melodia que sai das caixas, cantam um repertório de reggae clássico. Desde 2008, o “Jurassic Soundsystem” não está na programação da Virada Cultural. Não oficialmente.

Depois de insistentes solicitações, o grupo desistiu de esperar pela resposta da prefeitura e resolveu o problema por conta própria. Fundaram a Virada Ilegal, que neste ano chegou à terceira edição. O evento, divulgado pela internet, acontece graças a um pedaço de calçada livre e uma tomada. Dona Vânia troca a energia elétrica de seu pequeno estabelecimento pela fidelidade do público. Num só dia, vende mais cervejas do que durante o ano todo. A festa se repete todo mês naquele local. Em maio, com a Virada Cultural, a exposição do grupo se amplia notavelmente. No embalo da madrugada organizada pela prefeitura, poucas pessoas percebem que aquela é uma Virada que não está no papel.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)