Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Augusto Nunes

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A reedição do espetáculo da desonra

Olhar de moleque pilhado com a mão enfiada na gaveta onde a avó guarda o dinheiro, um fiapo de voz combinando com o biotipo de jóquei, o piloto Felipe Massa admitiu que entregara a Fernando Alonso a vitória na corrida disputada neste domingo na Alemanha. Mas negou que a rendição sem luta ocorrera por ordem […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 14h43 - Publicado em 26 jul 2010, 15h17

Olhar de moleque pilhado com a mão enfiada na gaveta onde a avó guarda o dinheiro, um fiapo de voz combinando com o biotipo de jóquei, o piloto Felipe Massa admitiu que entregara a Fernando Alonso a vitória na corrida disputada neste domingo na Alemanha. Mas negou que a rendição sem luta ocorrera por ordem da Ferrari, interessada em ampliar a pontuação do parceiro espanhol no campeonato da F-1. É suficientemente corajoso para capitular por vontade própria.

“Tomei a decisão porque era o melhor para o time”, balbuciou. Decidiu coisa nenhuma, sabem os espectadores que testemunharam pela TV o espetáculo do cinismo e da desonra. “Essa situação é ridícula”, começou Alonso ao constatar que o brasileiro teimava em ser mais veloz. Ainda mais ridículo, além de obsceno, foi o ato seguinte. Com voz pausada, um engenheiro da Ferrari diz a Massa que o espanhol é mais rápido. Em seguida, pergunta se entendeu o recado. Entendeu, informa o pé que se afasta do acelerador.

Gostem ou não de corridas de F-1, entendam ou não as regras do que já foi um esporte, todos os brasileiros decentes têm o dever de sentir-se agredidos pela reedição do show de cafajestagem protagonizado por pilotos do País do Carnaval. Rubinho Barrichello fez isso em 2002, Nelsinho Piquet fez isso em 2008. Ontem, outro brasileiro mostrou ignorar que a alma de um campeão não está à venda.

Massa vendeu a sua por um punhado de dólares. Ainda que sejam milhões, será sempre um punhado. O terceiro em tão pouco tempo. Não pode ser coincidência. O interesse pela F-1 começou a agonizar por falta de talentos. Vai acabar de vez por falta de vergonha

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.