Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Revista ‘Nature’ publica editorial no qual declara apoio a Lula

Publicação científica britânica defende que um segundo mandato para Jair Bolsonaro representaria uma ameaça à ciência, à democracia e ao meio ambiente

Por Alessandro Giannini Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 25 out 2022, 21h21 - Publicado em 25 out 2022, 20h37

Publicação de referência na comunidade científica, a Nature publicou nesta terça-feira, 25, um editorial no qual apoia e defende o voto em Luís Inácio Lula da Silva, do PT, no segundo turno das eleições. Com mais de 150 anos de atividades publicando artigos científicos, a revista diz que um segundo mandato para Jair Bolsonaro, do PL, representaria uma “ameaça à ciência, à democracia e ao meio ambiente”.

Não é a primeira vez que a Nature se posiciona sobre as eleições presidenciais brasileiras. Em 2018, quando Bolsonaro foi eleito, a revista estava entre os que temiam o pior. “A eleição de Jair Bolsonaro é ruim para a pesquisa e para o meio ambiente”, escreveram.

A publicação ressalta a importância do voto no dia 30, “o segundo turno de uma das eleições mais importantes do país desde o fim da ditadura militar em 1985”. E segue relatando que o histórico de Bolsonaro é “de arregalar os olhos”: “Sob sua liderança, o meio ambiente foi devastado quando ele retirou proteções legais e menosprezou os direitos dos povos indígenas”.

A revista também menciona o estrago feito na Amazônia: “O desmatamento quase dobrou desde 2018, com mais um aumento esperado quando o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil (Inpe) divulgar seus últimos dados de desmatamento nas próximas semanas”.

Continua após a publicidade

A comparação de Bolsonaro com o ex-presidente americano Donald Trump surgiu quando o editorial mencionou a pandemia de Covid-19: “Assim como seu ex-colega populista dos EUA, Donald Trump, Bolsonaro ignorou os alertas dos cientistas sobre a Covid-19 e negou os perigos da doença. Bolsonaro também minou os programas de vacinas, questionando a segurança e eficácia dos jabs. Mais de 685.000 pessoas no Brasil morreram de COVID-19. A crise econômica que se seguiu à pandemia atingiu duramente os brasileiros”.

O editorial segue falando do financiamento para ciência e inovação, que estavam em queda Bolsonaro assumiu a presidência,  e continuou sob sua liderança. “A ciência e a academia serviram como inimigos fáceis em uma ofensiva anti-elite que refletia as guerras culturais dos Estados Unidos”, continua o texto.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.