Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Por que as discussões políticas são tão acaloradas

Pesquisa americana revela que nosso cérebro percebe quem tem opinião contrária como inimigo, membro de um grupo hostil. Um rival que, nos primeiro estágios de nossa evolução, poderia levar à morte

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 02h08 - Publicado em 3 jun 2015, 19h25

Um grupo de pesquisadores americanos descobriu porque as discussões costumam ser acaloradas quando o assunto é política. Nosso cérebro encara quem tem uma visão divergente como membro de um perigoso grupo rival. A categorização é herdada de nossos ancestrais caçadores-coletores que precisavam fazer alianças e coligações para sobreviver. Saber quem está conosco e quem está contra é essencial, pois, quando ainda vivíamos nas florestas, combater grupos hostis poderia nos custar a vida.

De acordo com o estudo, feito por cientistas da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara, nos Estados Unidos, e publicada no periódico online Cognition, conversar com alguém que tem uma visão política diferente ativa circuitos neuronais que rastreiam coligações. Segundo o psicólogo David Pietraszewski, um dos autores da pesquisa, quando as pessoas expressam opiniões que refletem os pontos de vista de diferentes partidos políticos, nossas mentes automaticamente as colocam como sendo de um grupo rival. “Para o nosso cérebro, a filiação política é vista mais como a participação em uma gangue, e não uma postura filosófica”, afirma.

Leia também:

Pessoas têm mais empatia por indivíduos de outras raças quando convivem com eles, diz pesquisa

O estudo – Para chegarem à conclusão, os cientistas fizeram vídeos com conversas sobre política exibindo dois grupos de opiniões divergentes. Em seguida, partes da conversa foram mostradas para alguns voluntários para que descrevessem quem falou o quê.

Continua após a publicidade

A primeira das conversas contava com dois indivíduos negros e dois brancos de cada lado conversando sobre suas respectivas visões. Ao final, as partes foram reconhecidas por sua visão política e não pela cor da pele. De acordo com os pesquisadores, o cérebro usa a cor para diferenciar as pessoas somente quando não há outro fator dominante – no caso, a opinião política.

O mesmo experimento foi realizado com grupos separados por sexo e com grupos de pessoas de 20 e 70 anos. Os participantes ainda identificavam as pessoas da conversa por sua visão política, mas também eram lembradas pelo gênero e idade, revelando que dividimos as pessoas em grupos de mais velhos ou mais novos e de mulheres ou homens. Essas categorias são reconhecidamente importantes, na história de nossa evolução, para a sobrevivência humana.

Enquanto o cérebro cria ligações com a política, acaba ignorando a cor da pele. Ou seja, a tendência para um ou outro partido é um fator forte na identificação de grupos.

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.