Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Pesquisas com vírus da gripe aviária são suspensas

Cientistas produziram um vírus potencialmente transmissível entre humanos considerado "um dos mais perigosos que podem ser feitos em laboratório"

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h48 - Publicado em 21 jan 2012, 09h07

Cientistas que pesquisam uma versão geneticamente alterada e potencialmente transmissível entre humanos do vírus da gripe aviária H5N1 decidiram interromper as pesquisas por 60 dias. Em um artigo publicado nas revistas científicas Nature e Science, eles afirmam que querem dar tempo “a governos e organizações para discutir esse tipo de pesquisa.”

O grupo, que representa 39 instituições de pesquisa de todo o mundo, propõe a realização de um fórum científico internacional sobre o tema, mas defende a continuação dos estudos e a publicação dos resultados. Em dezembro, um conselho de biossegurança ligado ao governo dos EUA solicitou aos pesquisadores que alterassem seus trabalhos científicos originais antes da publicação, de modo a omitir as alterações do genoma do vírus responsáveis pelo aumento na capacidade de contágio.

Leia também:

Existe limite para a pesquisa científica?

O conselho teme a utilização do estudo por terroristas dispostos a criar uma arma biológica. Os pesquisadores aceitaram a contragosto a solicitação. Mas, agora, defendem um amplo diálogo para mostrar que suas pesquisas são importantes para identificar cepas perigosas na natureza antes que elas iniciem uma pandemia. Eles admitem, contudo, que a preocupação tem fundamento.

O virologista Ésper Kallás, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, defende as pesquisas. “Em primeiro lugar, é um trabalho que pode salvar milhares de vidas. Em segundo, nenhum país seria tolo de usar uma arma assim, porque é impossível controlá-la”.

Contágio – Dois grupos de cientistas conseguiram produzir em laboratório um vírus da gripe aviária que pode ser transmitido pelo ar entre furões. Esse animais são considerados os modelos mais próximos dos homens em testes clínicos do aparelho respiratório. O virologista Ron Fouchier, que coordena um dos grupos, na Holanda, afirmou que o vírus é “provavelmente um dos mais perigosos que podem ser feitos em laboratório.”

O vírus da gripe H5N1 tem uma taxa de letalidade superior a 50%. Até agora, os casos estão sempre relacionados a zoonoses – contágio de um homem por um animal infectado – em porcos ou aves.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês