Clique e assine a partir de 8,90/mês

Idade em que se aprende 2º idioma influencia estrutura cerebral

Quanto mais especializado o cérebro se torna na língua materna, mais difícil é aprender um novo idioma

Por Da Redação - Atualizado em 6 Maio 2016, 16h17 - Publicado em 6 set 2013, 12h03

A idade em que uma criança aprende um segundo idioma pode influenciar sua estrutura cerebral na idade adulta. É o que mostra um estudo de pesquisadores da Universidade McGill, no Canadá, e da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Age of language learning shapes brain structure: A cortical thickness study of bilingual and monolingual individuals

Onde foi divulgada: periódico Brain and Language

Quem fez: Denise Klein, Kelvin Mok, Jen-Kai Chen e Kate E. Watkins

Instituição: Universidade McGill, no Canadá, e Universidade de Oxford, no Reino Unido

Dados de amostragem: imagens de ressonância magnética de 66 indivíduos bilíngues e 22 monolíngues

Resultado: Os pesquisadores concluiram que a idade com a qual uma criança aprende um segundo idioma pode influenciar a sua estrutura cerebral.

Continua após a publicidade

Os pesquisadores concluíram pessoas que aprendem um ou dois idiomas desde o nascimento têm um desenvolvimento cerebral parecido, enquanto aqueles que aprendem uma segunda língua mais tarde na infância, depois dos três anos de idade, quando a língua materna já foi adquirida, têm a estrutura cerebral modificada por esse aprendizado. “Nosso trabalho mostra que a estrutura do cérebro muda como resultado da nossa experiência com idiomas, assim como os músculos ou outras partes do corpo podem mudar a partir de uma experiência específica”, disse Kate Watkins, uma das autoras do estudo, ao site de VEJA. A pesquisa foi publicada no final de junho na edição online do periódico Brain and Language.

Mudança estrutural – A equipe utilizou um programa de computador desenvolvido na própria Universidade McGill para analisar, por meio de imagens de ressonância magnética, a estrutura cerebral de 66 indivíduos bilíngues e 22 monolíngues. Os resultados mostraram que, nas pessoas que aprenderam a segunda língua após adquirirem proficiência no idioma materno, o giro frontal inferior, área do cérebro relacionada à produção e compreensão da fala, apresenta alterações: o lado esquerdo se torna mais espesso, enquanto o giro frontal inferior direto fica mais fino.

Segundo os autores, o fato de o lado esquerdo ser mais espesso pode indicar que essa região não passou pelo afinamento característico da maturação do cérebro. “Ou a sua maturação foi atrasada ou as conexões excessivas não foram ‘aparadas,’ porque elas estão dando suporte para a segunda língua, adquirida mais tarde”, afirma Denise Klein, principal autora do estudo.

Assim, quanto mais tarde na infância uma pessoa aprender um segundo idioma, maiores as mudanças estruturais nessa região cerebral. “Independentemente de serem uma, duas ou mais línguas, nosso estudo mostra que a idade [em que elas são aprendidas] é o fator crucial para determinar como a estrutura do cérebro será alterada”, afirma Kate.

As autoras reforçam que aprender outro idioma é bom para o cérebro em qualquer idade, porém quanto maior a idade de uma pessoa, sua eficiência para adquirir esse conhecimento tende a ser menor. “Isso pode acontecer porque o cérebro já se tornou altamente especializado na sua língua materna, o que torna mais difícil utilizar essa arquitetura para produzir um idioma diferente”, explica Denise.

Leia também:

Idosos bilíngues têm cérebro mais “eficiente”

Aprender idiomas de forma intensiva faz o cérebro crescer, aponta estudo

Estudo mostra que crianças aprendem a linguagem por meio da gramática, não pela repetição

Continua após a publicidade
Publicidade