Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Humanidade começa a explorar o Sol

Com o primeiro envio de informações de uma sonda que analisa de perto a estrela, alguns mistérios já são esclarecidos

Por Sabrina Brito
6 dez 2019, 09h25

No último dia 4, quarta-feira, a espécie humana começou oficialmente a exploração da estrela mais próxima da Terra: o Sol. Devido a informações enviadas pela sonda Parker, da Nasa, cientistas estão revendo diversas teorias sobre o espaço. As descobertas foram publicadas em quatro artigos na revista científica Nature.

Trata-se da sonda que mais perto chegou da estrela até agora — feito possível apenas graças ao revestimento de carbono de 11 centímetros de grossura que envolve a máquina. Por causa dele, a sonda é capaz de enfrentar temperaturas de quase 1,4 mil graus Celsius — muito inferiores às da superfície solar, mas suficientes para orbitar o astro.

A Parker Probe, como é chamada pelos pesquisadores, foi lançada ao espaço em 2018 e custou aproximadamente 1,5 bilhão de dólares (o equivalente a mais de 6 bilhões de reais). Os responsáveis pelo projeto são da renomada Universidade Johns Hopkins (EUA).

E quais foram os frutos desse investimento bilionário?

O maior avanço obtido pela sonda até agora foi relativo ao vento solar, nome dado a uma corrente de partículas energizadas que são emitidas pelo Sol e flutuam pelo espaço. A Parker Probe capturou a melhor visão que se tem até o momento do local de nascimento do vento solar, na superfície do astro.

Continua após a publicidade

Além disso, as informações repassadas pela máquina indicaram que a rotação dessa corrente é muito mais rápida do que se esperava, e chega aos 50 quilômetros por segundo (em contraste, os cientistas estimavam sua velocidade em alguns poucos quilômetros por segundo). A revelação tem feito com que os especialistas se perguntem se uma de suas teorias sobre estrelas está equivocada.

A ideia mais aceita até agora era a de que, ao envelhecer, os astros diminuíssem a velocidade da rotação. No entanto, a descoberta de que o vento solar é bem mais rápido do que se pensava pode sugerir que isso nem sempre é verdade, e que o Sol está girando cada vez mais rápido.

Até agora, Parker deu três voltas ao redor do Sol. No final da missão, em 2025, é esperado que ela complete a órbita 21 vezes. Por enquanto, resta aos astrônomos esperar para ver quais outros enigmas podem ser resolvidos com a ajuda da sonda.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.