Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Exame revela órgãos com envelhecimento acelerado e prevê risco de doenças

Estudo mostra que pelo menos 20% da população tem pelo menos um órgão se deteriorando rapidamente

Por Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
6 dez 2023, 14h34

Quando se fala em envelhecimento, a primeira coisa que vem à mente é a ideia de rugas na pele ou de cabelo embranquecido. No entanto, todos os órgãos passam por esse processo, em ritmos diferentes a depender do estilo de vida – um método de análise divulgado nesta quarta-feira, 6, traz a público um exame capaz de avaliar a idade de 11 deles e prever o desenvolvimento de algumas doenças. 

De acordo com o artigo publicado na renomada revista científica Nature, um estudo utilizando este método foi realizado com mais de 5 mil indivíduos e ele revelou que 20% da população analisada tem pelo menos um órgão com o envelhecimento fortemente acelerado. Esse número preocupa, pois, de acordo com os autores, esse processo está relacionado a um risco de morte de 20 a 50% superior ao da população normal. 

A pesquisa também descobriu uma forte associação entre o envelhecimento de órgãos específicos e o desenvolvimento de doenças. “Descobrimos que indivíduos com envelhecimento cardíaco acelerado apresentam um risco aumentado em 250% para doenças nesse órgão”, afirmam os autores, em comunicado. “Além disso, vimos que o envelhecimento cerebral e vascular acelerados predizem o avanço da doença de Alzheimer tão bem quanto os exames diagnósticos padrão.”

Como isso é feito?

O novo método se baseia em exame de sangue e inteligência artificial. O exame de sangue é utilizado em uma técnica chamada de proteômica, capaz de avaliar a presença de milhares de proteínas presentes na corrente sanguínea. Já a inteligência artificial é capaz de associar cada uma dessas moléculas ao envelhecimento normal ou acelerado de 11 órgãos diferentes. São eles:

  • Tecido adiposo
  • Tecido arterial
  • Cérebro
  • Coração
  • Sistema imune
  • Intestino
  • Rins
  • Fígado
  • Pulmão
  • Músculos
  • Pâncreas

O exame representa uma grande evolução, porque até agora não existiam exames não invasivos capazes de avaliar o envelhecimento dos órgãos de maneira tão ampla. Agora, estudos adicionais são necessários para aprimorar a técnica, baratear o processo e possibilitar o estudo de mais órgãos ao mesmo tempo. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.