Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Exame de sangue poderá detectar Alzheimer precocemente

De acordo com os pesquisadores, marcador pode ajudar na criação de exames de rotina a baixo custo. Nos primeiros testes, o índice de acerto foi de 80%

Por Da Redação
Atualizado em 6 Maio 2016, 16h21 - Publicado em 30 abr 2013, 18h58

Um novo método não invasivo e de baixo custo se mostrou eficiente na detecção precoce da doença de Alzheimer. Publicado nesta terça-feira no periódico Molecular Psychiatry, o estudo conseguiu identificar um marcador biológico presente no sangue que é detectado antes dos primeiros sintomas da doença. Com a detecção precoce, dizem os pesquisadores, será possível desenvolver terapias que ajudem a retardar o início do Alzheimer.

Para tentar encontrar uma alternativa mais viável, a equipe da pesquisadora Samantha Burnham mediu os níveis de biomarcadores (substâncias que indicam a presença da doença) no sangue de pacientes com alta concentração de beta amiloide neocortical (NAB), em comparação àqueles com baixa concentração dessa mesma substância. É conhecida a relação entre NAB e a doença de Alzheimer, mas aferição deste indicador é cara e invasiva, uma vez que exige biópsia do cérebro.

Leia também:

Especialista tira dúvidas sobre a doença de Alzheimer

Os dados coletados foram usados para gerar um modelo de predição do NAB, que mostrou um índice de acerto de 80%. De acordo com os pesquisadores, o resultado pode ajudar no desenvolvimento de testes de rotina a um custo baixo, que seriam usados como uma ferramenta para detecção precoce de pessoas em risco de desenvolver o Alzheimer. Com um resultado positivo desse primeiro teste, haveria, então, justificativas para a realização de testes mais invasivos e caros, além de permitir intervenções precoces de terapias específicas para a doença.

Continua após a publicidade

Opinião do especialista

Ivan Okamoto

Neurologista, coordenador do Instituto da Memória da Universidade Federal de São Paulo

“Encontrar esses marcadores biológicos que denunciam a doença até 15 anos antes dos sintomas é algo como a busca do Santo Graal. Mas esse não é o primeiro estudo nesse sentido. Muito tem se feito no sentido de conseguir identificar precocemente a evolução do Alzheimer. Há pesquisas, por exemplo, que tentam identificar quais são as substâncias que atrasam a morte neuronal. O estudo é promissor, mas será preciso que ele seja replicado algumas vezes, em populações grandes, para que sua eficácia seja realmente comprovada.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.