Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Estudo liderado por brasileiro descobre primeiro asteroide rodeado de anéis

Astrônomos identificaram no asteroide Chariklo dois anéis de gelo; até então, fenômeno tinha sido visto apenas em planetas gigantes

Por Da Redação
Atualizado em 6 Maio 2016, 16h13 - Publicado em 26 mar 2014, 20h33

Astrônomos descobriram anéis em torno de um asteroide de cerca de 250 quilômetros de diâmetro, o menor objeto já detectado a ter anéis. Anteriormente, o fenômeno só havia sido visto em planetas gigantes como Júpiter, Saturno, Urano e Netuno.

A descoberta, publicada online nesta quarta-feira no periódico Nature, foi obra do acaso, segundo o líder da pesquisa, o brasileiro Felipe Braga-Ribas, do Observatório Nacional, no Rio de Janeiro. As observações foram feitas a partir de treze telescópios em onze pontos da América do Sul, entre eles o Observatório de La Silla do Observatório Europeu do Sul, no Chile, em 3 junho de 2013.

Ao observar a estrela UCAC4 248-108672, os astrônomos visualizaram uma escuridão por alguns segundos. O motivo, já previamente calculado, seria a passagem de um asteroide à frente da estrela. O que os cientistas não esperavam eram dois pontos luminosos aparecerem antes e depois da passagem do objeto, sugerindo que ele seria cercado por anéis. Trata-se da primeira evidência de que anéis podem circundar qualquer objeto no Sistema Solar, não apenas planetas gigantes. Os astrônomos constataram dois anéis pequenos feitos de gelo, um de 7 quilômetros e outro de 3 quilômetros de diâmetro, ao redor de Chariklo, como o asteroide foi denominado.

Leia também:

Astrônomos descobrem segundo cometa ‘brasileiro’

Ainda não se sabe como os anéis se formam. Acredita-se que eles sejam oriundos de restos de materiais resultantes de uma colisão que tenha ocorrido perto de um corpo celeste.

Chariklo pertence a uma classe de objetos chamada centauros, que atravessam o Sistema Solar em órbitas instáveis e podem se dividir entre asteroides e cometas. “Por eles serem muito pequenos e escuros e estarem muito longe da Terra, é difícil estudá-los”, afirma Braga-Ribas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.