Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ecossistemas marinhos podem resistir às piores extinções em massa

Estudo sugere que funcionamento da vida marinha não foi drasticamente alterado em razão de extremo aquecimento global há 210 milhões de anos

Uma das maiores extinções em massa da história não afetou drasticamente os ecossistemas marinhos, sugere um estudo publicado na última semana no periódico Paleontology. Segundo os pesquisadores, embora a extinção em massa que ocorreu durante o final do período Triássico, há 210 milhões de anos, tenha acabado com uma vasta quantidade de espécies tanto na terra quanto no mar, não houve mudanças extremas no funcionamento da vida marinha.

“Enquanto a extinção em massa do fim do Triássico teve um grande impacto no número total de espécies marinhas, a diversidade presente nas espécies restantes era suficiente para fazer com que o ecossistema marinho funcionasse da mesma forma que antes”, afirma o autor do estudo, o paleobiólogo Alex Dunhill, da Universidade de Leeds, no Reino Unido. Segundo os pesquisadores, o resultado demonstra que os ecossistemas marinhos são mais resistentes do que se imaginava e poderiam sobreviver a alguns dos piores eventos de extinção massiva da Terra.

“Não estamos dizendo que nada aconteceu”, complementa o paleontólogo e coautor William Foster, da Universidade do Texas, nos Estados Unidos. “Em vez disso, os oceanos globais nos momentos posteriores à extinção eram mais ou menos como um navio tripulado por uma equipe de esqueletos – todas as estações poderiam ser operadas, mas eram administradas por relativamente poucas espécies.”

Durante o evento de extinção, quase 50% da vida na Terra desapareceu como uma consequência de enormes erupções vulcânicas. A atividade dos vulcões aumentou drasticamente a quantidade de gases estufa na atmosfera, provocando um aquecimento global rápido e extremo. As erupções também estavam associadas ao rompimento do supercontinente Pangea e à abertura do Oceano Atlântico.

No estudo, Dunhill e sua equipe compararam os ecossistemas marinhos antes e depois do evento de extinção ao examinar fósseis do Triássico Médio ao Jurássico Médio – um intervalo de tempo de 70 milhões de anos. Eles também classificaram o estilo de vida de diferentes animais que viviam nos oceanos, analisando a forma como se locomoviam, onde viviam e como se alimentavam.

Dessa forma, os pesquisadores perceberam que nenhum dos estilos de vida desapareceu completamente por causa do evento – e isso ajudou a preservar quase completamente o ecossistema marinho como um todo. Ainda assim, eles admitem que a extinção em massa teve profundos efeitos regionais e ambientais e teve um impacto extremo em ecossistemas oceânicos específicos.

“Algumas das grandes vítimas marinhas do fim do Triássico foram os animais estacionários de recife, como corais. Quando examinamos o registro fóssil, vimos que, enquanto o ecossistema marinho continuava a funcionar como um todo, levou mais de 20 milhões de anos para que os ecossistemas de recifes tropicais se recuperassem desse cataclismo ambiental”, explica Dunhill. “Os ecossistemas de recife são os mais vulneráveis ​​a mudanças ambientais rápidas. O efeito dos gases estufa no fim do Triássico não foi tão diferente do que você vê acontecendo hoje com os recifes de coral, que sofrem com aumento da temperatura do oceano.” Por isso, os pesquisadores acreditam que compreender o que aconteceu com as espécies marinhas no passado pode ajudar a prever o que aconteceria com elas em eventos semelhantes no futuro.