Clique e assine a partir de 9,90/mês

Desenho mais antigo da história da humanidade é descoberto na África

Rabiscos vermelhos que lembram uma hashtag podem ter tido significado artístico para os 'Homo sapiens' de 73 mil anos atrás

Por Sabrina Brito - Atualizado em 30 jul 2020, 20h09 - Publicado em 20 set 2018, 14h01

Foi encontrado na África do Sul o primeiro desenho da história da humanidade do qual temos conhecimento. Estampados em uma rocha pequenina na caverna de Blombos, a 300 quilômetros da Cidade do Cabo, os rabiscos consistem em nove linhas pintadas na pedra com uma tinta avermelhada composta de pigmentos naturais. Por causa do cruzamento entre os traços, o desenho foi associado ao símbolo da hashtag, muito utilizado atualmente em redes sociais. O estudo foi publicado na revista científica Nature.

Os Homo sapiens viveram dentro e nos arredores da caverna entre 100 e 72 mil anos atrás. Lá, já haviam sido encontradas espécies de miçangas feitas de conchas e pedaços de ossos estilizados com padrões geométricos esculpidos. A estimativa dos pesquisadores é de que o desenho encontrado tenha sido feito há cerca de 73 mil anos – pelo menos 30 mil anos antes das ilustrações até então consideradas as mais velhas da nossa história.

No entanto, a rocha – que mede aproximadamente 38,6 milímetros de altura por 12,8 milímetros de largura – era, provavelmente, parte de um mineral muito maior, que deveria conter outras partes da estampa. Assim, a ilustração encontrada na África deve estar incompleta.

Segundo um arqueólogo da Universidade de Southampton, no Reino Unido, Alistair Pike, não é possível afirmar com certeza que os rabiscos se tratam de uma obra de arte. De acordo com ele, é possível que as marcas tenham sido deixadas de forma acidental por alguém que afiava uma ferramenta na rocha. Ainda assim, Pike afirma que o uso de tinta indica uma provável intencionalidade, apontando para uma imagem feita propositalmente.

Continua após a publicidade

 

Em contraponto, um dos cientistas do estudo, Christopher Henshilwood, da norueguesa Universidade de Bergen, diz ter certeza que se trata de arte. Ainda conforme suas ideias, a figura devia possuir algum significado dentro do grupo do qual seu autor participava.

Publicidade