Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Cientistas estimulam crescimento muscular em camundongos

Inibição de proteínas em camundongos reduziu perda de músculos causada por câncer e infecção e fez crescer a massa muscular em animais saudáveis

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h44 - Publicado em 1 mar 2012, 15h21

Uma descoberta pode tornar possível no futuro manter a forma sem exercícios. Cientistas perceberam que uma família de proteínas chamada Forkhead (Fox0) possui um papel importante na regulação da massa muscular esquelética. Interferir na atividade dessas proteínas reduz a perda de músculo causado por câncer e infecções. O estudo foi realizado em camundongos e será publicado no periódico americano FASEB.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Inhibition of FoxO transcriptional activity prevents muscle fiber atrophy during cachexia and induces hypertrophy

Onde foi divulgada: revista FASEB

Quem fez: S. A. Reed, P. B. Sandesara, S. M. Senf, A. R. Judge

Instituição: Universidade da Flórida, EUA

Continua após a publicidade

Dados de amostragem: Três grupos de camundongos: saudáveis, com câncer e com infecção

Resultado: A inibição da família de proteínas Fox0 fez com que a perda muscular nos animais doentes fosse drasticamente reduzida. Nos saudáveis, o procedimento provocou aumento muscular por meio de síntese proteica, sem a necessidade de exercícios.

A equipe de cientistas da Universidade da Flórida, nos EUA, inibiu a atividade das proteínas Fox0 no músculo esquelético de três grupos de camundongos: saudáveis, com câncer e com infecção.

A perda de massa muscular nos bichos com câncer e infecção foi significativamente reduzida com a inibição da atividade das Fox0. Nos animais saudáveis, a inibição causou aumento de tamanho das células musculares.

Estudos sobre as proteínas Fox0 podem proporcionar terapias que visam a reduzir a perda muscular e aumentar a qualidade de vida e taxas de sobrevivência de pacientes com várias doenças.

“Ninguém pode negar que o corpo humano foi feito para se mover com frequência”, disse Gerald Weissmann, editor-chefe do FASEB. “A realidade, contudo, é que muitos de nós não se mexem o suficiente, seja por causa de uma doença, machucado ou simplesmente agenda cheia. Essa descoberta é um passo importante dado no tratamento de perda muscular por causa do câncer, infecção severa ou envelhecimento.”

Continua após a publicidade
Publicidade