Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Arqueólogos encontram estátua de Ramsés II e Seti II no Cairo

Os pesquisadores acreditam que uma delas possa ser de Rámses II, um dos mais poderosos faraós do Egito, e a outra de seu neto, Seti II

Por Da redação Atualizado em 10 mar 2017, 10h05 - Publicado em 10 mar 2017, 09h56

Uma missão conjunta de arqueólogos egípcios e alemães encontrou duas estátuas de faraós da dinastia XIX em uma escavação no Cairo, informou nesta quinta-feira o Ministério de Antiguidades do Egito.

Uma delas, que acredita-se que seja de Ramsés II, foi encontrada fragmentada em grandes pedaços de quartzito e mede aproximadamente oito metros, segundo informou o presidente do setor de Antiguidades Egípcias, Mahmoud Afifi, em comunicado. A outra peça é a parte superior de uma estátua em tamanho natural do rei Seti II, neto de Ramsés II, feita de calcário e com cerca de 80 centímetros.

A descoberta aconteceu na região arqueológica de Ain Shams, ao redor do templo de Ramsés II na antiga cidade de Heliópolis, que agora é um bairro da capital egípcia. Ramsés II governou o Egito há mais de 3.000 anos, e foi um dos faraós mais poderosos e aclamados do período. Ele liderou várias expedições militares e expandiu o Império Egípcio da Síria, a leste, à Núbia, ao sul. Seus sucessores o chamavam de “Grande Ancestral”.

Confira fotos das estátuas:

Continua após a publicidade

O chefe da missão egípcia, Ayman Ashmaui, indicou que as escavações e as pesquisas continuam em busca das demais partes para corroborar a identidade da estátua de maior tamanho, já que a parte encontrada não tem epigrafia que indique a quem pertence. Os arqueólogos, no entanto, acreditam que poderia ser de Ramsés II pelo fato de que foi descoberta em frente ao portal de seu templo.

Dietrich Raue, líder da equipe de pesquisadores alemães, disse em entrevista à Reuters que os antigos egípcios acreditavam que Heliopolis, no distrito de Matariya, era onde o Deus do Sol vivia. “De acordo com as crenças faraônicas, o mundo foi criado em Matariya”, disse. “Isso significa que tudo deveria ser construído ali. Estátuas, templos, obeliscos, tudo. Porém, o rei nunca poderia viver em Matariya, porque o Deus do Sol vivia ali.”

O ministro de Antiguidades, Khaled al Anani, disse que a estátua será transferida ao novo Museu Egípcio para ser restaurada e exposta em um local que será inaugurado parcialmente em 2018.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)