Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Adolescentes altruístas têm menos chances de sofrer depressão, diz estudo

Engajar-se em atividades sociais em vez de autocentradas pode contribuir com o bem-estar

Uma pesquisa americana mostrou que adolescentes de 15 e 16 anos que consideram prazeroso engajar-se em atividades sociais têm menos chances de desenvolver depressão. O artigo foi publicado na última semana, no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas).

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Neural sensitivity to eudaimonic and hedonic rewards differentially predict adolescent depressive symptoms over time

Onde foi divulgada: periódico Pnas

Quem fez: Eva H. Telzer, Andrew J. Fuligni, Matthew D. Lieberman e Adriana Galván

Instituição: Universidade da Califórnia e Universidade de Illinois, EUA

Resultado: Os pesquisadores mostraram que adolescentes que consideram prazeroso se engajar em atividades sociais têm menos chances de desenvolver depressão.

O estudo analisou a atividade de uma região cerebral chamada estriado ventral, que regula a sensação de prazer relacionada à recompensa. Pesquisas anteriores mostraram que a atividade dessa área tende a ser mais intensa em adolescentes, indicando que nessa idade a experiência de prazer e recompensa é mais acentuada do que em adultos ou crianças.

Uma das explicações para essa diferença pode ser o fato de que a adolescência é também uma fase de maior busca por riscos, o que pode estar relacionado à sensibilidade a recompensas. “Da infância para a adolescência, as taxas de mortalidade e morbidade aumentam de 200 a 300%, quase completamente devido a esse comportamento de risco”, afirma Eva Telzer, professora da psicologia da Universidade de Illinois e principal autora do estudo.

Leia também:

8 sinais de que você pode estar com depressão

Alta dose de antidepressivo aumenta risco de suicídio, diz estudo

Procedimentos – Os pesquisadores mediram a atividade no estriado ventral de adolescentes enquanto eles realizavam uma tarefa em que podiam doar dinheiro a outras pessoas, ficar com ele ou tomar uma decisão financeira mais arriscada, na esperança de conseguir uma quantidade maior.

A equipe estudou sintomas de depressão nos participantes no início do programa e depois de um ano, e concluiu que a atividade do ventral estriado poderia indicar se os sintomas depressivos dos participantes se tornariam mais leves ou mais intensos ao longo do tempo.

Os adolescentes que mostraram maior atividade na área de recompensa ao tomar uma decisão financeira arriscada tinham mais chances de desenvolver sintomas depressivos acentuados com o tempo. Já naqueles que mostravam atividade maior na tarefa social (doar o dinheiro), a depressão diminuiu. “O estudo sugere que se nós pudermos redirecionar os adolescentes de recompensas que envolvam correr riscos ou estejam muito centradas neles mesmos para atividades mais sociais, podemos causar um impacto positivo em seu bem-estar”, afirma a pesquisadora. “É interessante que a mesma área do cérebro pode prever prejuízos ou incentivos ao bem-estar, dependendo do contexto.”