Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Vizinhos da tragédia em Santos tentam retomar a rotina

Imóveis ao redor da cratera formada pela aeronave estão interditados

No dia seguinte ao acidente que matou o presidenciável Eduardo Campos (PSB) e outras seis pessoas, os moradores dos prédios vizinhos ao local da queda do avião tentam retomar a rotina. A aposentada Marlene Martinez, de 64 anos, tentava entrar em seu apartamento, no prédio vizinho à cratera aberta pela queda do avião. O imóvel foi interditado pela Defesa Civil. Parte do prédio foi afetada pela queda da turbina. “Tomo remédio controlado e não consigo entrar lá para buscar”, diz.

Leia também:

Ouça o último contato do avião antes da queda

Reinaldo Azevedo: A morte de Campos e o futuro

Radar: Assessores do PSB informaram governo

Governador: ‘Uma tragédia’, diz Geraldo Alckmin

Perfil: Herdeiro de Arraes queria liderar oposição

A aposentada Marlene Martinez A aposentada Marlene Martinez

A aposentada Marlene Martinez (/)

Ela estava na cozinha de casa quando viu uma bola de fogo pela janela. Seu primeiro impulso foi pegar uma mangueira, mas percebeu logo que o melhor era sair correndo. “Peguei as minhas duas irmãs que moram comigo e fui para a rua”, conta a aposentada, que está hospedada em casa de parentes. Uma das irmãs, Ivone Martinez, de 74 anos, pedia para o filho pegar pelo menos um desodorante, além de roupas. “Sou a mais cheinha, as roupas das minhas irmãs não me servem”, afirma.

A decoradora Zuleika Saibro, de 46 anos, se esforça para não chorar enquanto mostra a casa tomada por cacos de vidro. O deslocamento de ar provocado pela explosão da aeronave no quintal vizinho ao seu quebrou todos os vidros da janela da sala e da cozinha. “Acordei com o barulho da turbina, achei que o mundo estivesse acabando”. Ela não pode tirar os cacos do chão da sala e da cozinha até a perícia terminar os trabalhos.

Casa de moradora destruída pela queda da aeronave, em Santos Casa de moradora destruída pela queda da aeronave, em Santos

Casa de moradora destruída pela queda da aeronave, em Santos (/)

O comerciário João Carlos de Oliveira também está fora de casa desde quarta. Sem parentes em Santos, está hospedado em uma pousada com a mulher e os dois filhos. Ele está pagando 200 reais pela diária. “Quero ver quem vai me ressarcir”, diz. No vídeo a seguir, confira os trabalhos de resgate na cratera: