Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Sobe para 17 o total de mortos em Pedrinhas neste ano

Desde o início de 2013, o Estado já contabiliza 77 mortes de presos; Justiça prorrogou em 90 dias permanência da Força Nacional nos presídios

Por Da Redação 3 out 2014, 16h07

Mais um detento foi encontrado morto nesta quinta-feira no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, no Maranhão. A confirmação da morte pelo governo estadual só ocorreu na tarde desta sexta, mesmo dia em que o Ministério da Justiça prorrogou por mais noventa dias a permanência da Força Nacional de Segurança nos presídios maranhenses. O Estado já contabiliza dezessete mortes de detentos em Pedrinhas apenas neste ano.

As autoridades da área de segurança do Estado não informaram em que circunstâncias se deu a morte de Douglas Ferreira Coelho, 25 anos. “A Secretaria de Estado de Justiça e a Administração Penitenciária informa que a Polícia Civil fez a perícia e está investigando as circunstâncias da morte”, diz a nota divulgada pelo governo do Estado.

Leia também:

Caminhão derruba muro de Pedrinhas e seis presos fogem

Pedrinhas: dois são afastados por vídeo de preso contra Flávio Dino

Secretário de Justiça do Maranhão cai após nova fuga em Pedrinhas

Mesmo com tropas federais há quase um ano atuando no sistema prisional do Maranhão, há três semanas, 49 presos fugiram de Pedrinhas. No último dia 15, o então diretor da Casa de Detenção de São Luís, Cláudio Barcelos, foi detido preventivamente por suspeita de facilitar a fuga de presos e também autorizar, mediante pagamento, que detentos deixassem a unidade irregularmente e retornassem após cometerem crimes. Na última quarta-feira, o Tribunal de Justiça do Maranhão concedeu alvará de soltura para que Barcelos responda as acusações em liberdade.

Maior estabelecimento prisional do Maranhão, Pedrinhas tem sido palco de rebeliões, brigas e assassinatos. Em 2013, conforme o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), houve sessenta mortes. Também partiram do interior do complexo ordens para que bandidos atacassem delegacias e incendiassem ônibus na Região Metropolitana da capital maranhense.

(Com Agência Brasil)

Continua após a publicidade
Publicidade