Clique e assine a partir de 9,90/mês

Rio ocupa cracolância, mas corta verba para combate às drogas

Em dois anos, governo do estado reduziu quase à metade os recursos destinados a programas de prevenção e tratamento de dependentes químicos

Por Pâmela Oliveira, do Rio de Janeiro - 18 out 2012, 16h34

O governo do estado do Rio trata o problema do crack com dois pesos e duas medidas. Por um lado, policiais ocupam a área onde se formou a maior cracolândia do estado, próxima das favelas de Manguinhos e Jacarezinho. A operação teve apoio até de blindados das forças armadas. Na outra ponta, o valor investido pelo governo do estado em programas contra as drogas ficou menor. Em 2011, o valor previsto para programas de prevenção, acompanhamento e tratamento de usuários de drogas foi de 35,5 milhões de reais. Em 2012, a previsão do orçamento caiu para 29 milhões de reais – 18% a menos.

Para 2013, a proposta enviada pelo governador Sérgio Cabral para aprovação na Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj) é de 18,5 milhões de reais. Em dois anos, a redução chega a 48%. Ou seja, enquanto o crack se espalha e a polícia tenta desmanchar a cracolândia, o estado reduz à metade os recursos para combater o problema.

Como mostrou o site de VEJA na quarta-feira, o estado hoje não tem onde internar pacientes dependentes de drogas. As duas clínicas conveniadas que recebiam os pacientes interromperam o atendimento porque o contrato com o estado acabou em agosto e não foi renovado.

Só na capital, a Secretaria municipal de Assistência Social estima que são 3.000 os usuários de crack vagando pelas ruas. Nesta quinta-feira, a Secretaria Municipal de Assistência Social voltou a recolher usuários de crack: 31 adultos foram recolhidos em ruas de Madureira, na zona norte. Os adultos recolhidos são levados para triagem, têm a opção de ficar nos abrigos da Prefeitura e fazer tratamento ambulatorial nos Centros de Atenção psicossocial (CAPs).

A Secretaria Estadual de Planejamento não explicou o motivo da redução da previsão de orçamento. A Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos divulgou nota informando que contratou três instituições para tratar dependentes de drogas. Os contratos começam a vigorar na próxima segunda-feira, dia 22.

LEIA MAIS:

Rio não tem onde internar dependentes de crack

Continua após a publicidade
Publicidade