Clique e assine a partir de 9,90/mês

Preocupação de Fachin era com mulher, juíza no PR

Magistrada não era acompanhada por escolta

Por Estadão Conteúdo - 29 mar 2018, 09h09

A ausência de segurança institucional para acompanhar a desembargadora Rosana Amara Girardi Fachin, do Tribunal de Justiça do Paraná, era a maior preocupação do ministro Edson Fachin. A magistrada é mulher do relator dos processos da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, com quem tem duas filhas e dois netos.

Em nota divulgada na terça-feira, a ministra Cármen Lúcia informou que determinou providências e autorizou que a segurança de Fachin em Curitiba também possa acompanhar seus familiares, determinando o aumento do efetivo de seguranças na equipe em atuação na capital paranaense. Embora seja desembargadora, a mulher do ministro do Supremo – assim como suas filhas e netos – não era acompanhada por escolta.

Em entrevista exibida na noite de terça na GloboNews, Fachin manifestou preocupação com a segurança de familiares. “Uma das preocupações que tenho não é só com julgamentos, mas também com segurança de membros de minha família.”

Além de ameaças sugeridas, o ministro vinha demonstrando desconforto com mensagens ofensivas recebidas por e-mail, que aumentaram após ele assumir a relatoria da Operação Lava Jato na Corte, em fevereiro do ano passado, depois da morte, em um acidente aéreo, do colega Teori Zavascki.

Continua após a publicidade

Com a repercussão sobre as ameaças contra Fachin, o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, ligou para o ministro na terça e colocou a instituição à disposição do magistrado.

Publicidade