Clique e assine com até 92% de desconto

Prefeitura de São Paulo irá ampliar rodízio de veículos a partir do dia 11

Medidas entrarão em vigor na mesma data em que o governo estadual planeja flexibilizar a quarentena

Por Mariana Zylberkan Atualizado em 7 Maio 2020, 11h46 - Publicado em 7 Maio 2020, 11h20

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), irá anunciar medidas mais restritas para o rodízio em SP de veículos na capital a partir de 11 de maio, quando o governo estadual deve anunciar medidas para flexibilizar a quarentena.

  • De acordo com o esboço do decreto ao qual VEJA teve acesso, as novas regras determinam que veículos com placas final par só circulem em dias pares, assim como os carros com placas final ímpar só trafeguem em dias ímpares. As determinações valem para a cidade toda e não apenas no chamado centro expandido, onde o rodízio de veículos em vigor atualmente é válido. Com isso, o prefeito busca reduzir a movimentação de pessoas na cidade, que vem aumentando nos últimos dias e está acima de 50%, segundo dados calculados pela gestão do governador João Doria (PSDB) por meio de monitoramento de telefonia celular.

     

  • A restrição na circulação valerá para todos os dias, inclusive sábados, domingos e feriados, durante 24 horas. Caso o motorista infrinja a regra, será aplicada apenas uma multa por dia. O decreto será asisnado pelo prefeito nesta quinta-feira, 7. Na quarta-feira 6, a prefeitura desistiu de manter os bloqueios em avenidas de grande circulação na cidade por causa dos altos índices de congestionamento formados.

    ASSINE VEJA

    Moro fala a VEJA: ‘Não sou mentiroso’ Em entrevista exclusiva, ex-ministro diz que apresentará provas no STF das acusações contra Bolsonaro. E mais: a pandemia nas favelas e o médico brasileiro na linha de frente contra o coronavírus. Leia nesta edição.
    Clique e Assine

    “Essa é uma forma de evitar medidas mais restritivas como o decreto do lockdown na cidade”, disse o prefeito.

    A cidade de São Paulo é uma das mais afetadas pela pandemia de coronavírus no país. Até quarta-feira, haviam sido contabilizados 23.800 casos confirmados da doença e mais de 1.900 mortes.

    Continua após a publicidade
    Publicidade