Clique e assine a partir de 9,90/mês

Por que Bolsonaro quer trocar o comando da Polícia Federal

Investigações que atingiram aliados, inquérito da facada e desconfianças do presidente minaram ex-integrante da Operação Lava-Jato

Por Thiago Bronzatto - Atualizado em 24 Apr 2020, 09h20 - Publicado em 23 Apr 2020, 17h20

O presidente Jair Bolsonaro se elegeu hasteando a bandeira de combate à corrupção. O maior sinal de que ele estava disposto a acabar com os negócios espúrios em Brasília foi a escolha do ex-juiz da Operação Lava-Jato, Sergio Moro, para comandar o ministério da Justiça e chefiar a Polícia Federal. Nesta quinta-feira, 23, Bolsonaro disse a Moro que irá demitir o diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, responsável por coordenar em Curitiba a prisão do ex-presidente Lula. A notícia conflagrou mais uma crise no governo.

Mas por que, afinal, Bolsonaro quer trocar a cúpula da Polícia Federal, composta por integrantes da Lava-Jato?

Desde setembro do ano passado, o presidente está insatisfeito com Valeixo. Naquela época, Bolsonaro foi informado de uma trama armada entre os policiais para investigar o seu amigo e deputado federal Hélio Lopes, conhecido como Hélio Negão. A revelação colocou a cabeça do diretor-geral da PF a prêmio.

No mesmo mês, a Polícia Federal deflagrou uma operação contra o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo no Senado, e cumpriu mandados de busca e apreensão em gabinetes do Congresso. Isso irritou alguns parlamentares, que reclamaram com Bolsonaro e Moro.

Continua após a publicidade

Outro ponto que desgastou Valeixo foi a investigação do esfaqueador do presidente, Adélio Bispo de Oliveira. Bolsonaro chegou a pressionar publicamente a PF para desvendar a identidade do suposto mandante do ataque sofrido em Juiz de Fora, Minas Gerais, durante as eleições de 2018. Após uma apuração minuciosa, a Polícia Federal concluiu que o criminoso agiu sozinho e sofria transtornos mentais. O presidente nunca engoliu essa explicação, mesmo após uma exposição detalhada do caso no Palácio do Planalto.

Além disso, aliados do presidente passaram a detonar Valeixo e Moro nos bastidores e a trabalhar para emplacar um substituto para comandar a PF. No fim do ano passado, o ex-deputado federal, Alberto Fraga, tentou convencer Bolsonaro a nomear o delegado e secretário de Segurança do Distrito Federal, Anderson Torres. Em outra frente de pressão, os filhos do presidente sugeriram o diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, que trabalhou como segurança de Bolsonaro durante as últimas eleições. Naquela ocasião, o presidente chegou a dar um prazo para resolver esse impasse: início deste ano.

Em janeiro, Valeixo teve uma conversa com Moro para preparar a sua saída. Desgastado, o diretor-geral sugeriu iniciar uma transição do seu cargo enquanto se preparava para assumir outra função: adido da corporação em Portugal. O ministro da Justiça disse que pensaria no caso, mas não aceitou, porque a troca na cúpula da PF poderia abrir espaço para a nomeação de adversários do ex-juiz da Lava-Jato.

Nos últimos dias, o diretor-geral da PF começou a receber sinais de que a hora de encerrar a sua missão poderia ter chegado. Alguns delegados começaram a especular sobre uma possível saída de Valeixo. Alguns nomes chegaram a ser cotados informalmente. Nesta quinta-feira, 23, os boatos se confirmaram: Bolsonaro comunicou a Moro que iria trocar o chefe da Polícia Federal. A decisão fez com que o ministro da Justiça se movimentasse em Brasília para tentar impedir a queda do seu homem de confiança, gerando mais um conflito no governo.

Continua após a publicidade

Em meio a essa confusão, Valeixo ainda não foi comunicado oficialmente sobre a sua demissão. A única informação que recebeu era que deveria esperar. Independentemente do desfecho dessa nova crise, o fato é que Bolsonaro está insatisfeito com a atuação da Polícia Federal.

Publicidade