Clique e assine a partir de 9,90/mês

Moro é informado de troca na cúpula da PF

Diretor-geral Maurício Valeixo será substituído

Por Laryssa Borges - Atualizado em 24 abr 2020, 09h32 - Publicado em 23 abr 2020, 14h04

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, foi informado nesta quinta-feira, 23, que o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, deverá ser substituído. Procurados por VEJA, Moro e Valeixo não quiseram comentar o assunto.

Até o momento, o diretor-geral da PF não foi avisado oficialmente sobre a sua saída. A única sinalização que recebeu foi que a de que o presidente Jair Bolsonaro comunicou que ele deverá ser trocado e aguardar mais informações sobre como proceder. A nova ofensiva pela saída do Valeixo do posto máximo da PF coincide com o momento em que há uma aproximação do presidente com alguns políticos do centrão, alvos de investigações dentro da Polícia Federal.

Desde o início deste ano, Valeixo vem conversando com Moro sobre a sua saída. A avaliação feita pelo diretor-geral da PF é que a sua relação com o presidente Jair Bolsonaro está desgastada. Nos últimos meses, delegados têm sido sondados pelo Palácio do Planalto para o comando da instituição. As informações sobre cada sondagem feita pela equipe de Bolsonaro, no entanto, chegavam a Valeixo, o que ampliava seu desconforto no cargo.

Esta não é a primeira vez que integrantes do governo se articulam para mudar a cúpula da PF. No ano passado, houve um um movimento de Bolsonaro para enfraquecer Moro, considerado mais popular que o próprio chefe, o ministro da Justiça identificou grupos dentro da própria PF como responsáveis por tentar desgastá-lo junto ao Palácio do Planalto.

Continua após a publicidade

Um dos casos que deixou clara a disputa na PF foi a inclusão indevida do nome de um homônimo do deputado bolsonarista Hélio Negão em um inquérito sobre fraudes previdenciárias. Em agosto, em uma entrevista no Palácio da Alvorada, o presidente havia afirmado que iria vir a público uma “falsa acusação de uma pessoa importante que está do meu lado”. Àquela altura, ele já havia sido informado da armação contra Negão. Na sequência, o próprio Moro se reuniu reservadamente com Bolsonaro para explicar a guerra de grupos dentro da corporação. Quase três semanas depois das explicações, Bolsonaro disse a Moro que Maurício Valeixo continuaria no cargo, por enquanto.

Outra reclamação recorrente de Bolsonaro era a de que a Polícia Federal não havia conseguido chegar a um suposto “mandante” do atentado que sofreu durante a campanha eleitoral de 2018. Em setembro, houve outro desgaste político para Valeixo. A PF deflagrou uma operação para investigar o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo no Senado. Investigadores fizeram buscas no Congresso, o que causou a revolta de alguns parlamentares, que reclamaram com Moro e Bolsonaro.

ASSINE VEJA

Covid-19: Sem Mandetta, Bolsonaro faz mudança de risco nos planos A perigosa nova direção do governo no combate ao coronavírus, as lições dos recuperados e o corrida por testes. Leia na edição desta semana.
Clique e Assine

Maurício Valeixo é um nome de confiança de Moro na Polícia Federal. O delegado foi superintendente da Polícia Federal no Paraná e coordenou a operação de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Foi também em sua gestão que foi fechada a delação de Antonio Palocci com a PF em Curitiba.

Publicidade