Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pix vira alvo de nova onda de golpes de quadrilhas de cibercriminosos

Estudo feito na América Latina mostra o Brasil no topo do ranking de ataques de malwares, vírus criados para violar computadores ou celulares

Por Bruno Caniato, Victoria Bechara
12 mar 2023, 08h00

Em mais uma estatística vexaminosa, o Brasil se tornou um dos terrenos mais férteis do mundo para a proliferação de cibercrimes, como são conhecidas as atividades ilícitas e fraudes praticadas pela internet. Um estudo realizado pela empresa de segurança Kaspersky na América Latina mostra o país no topo do ranking de ataques de malwares, vírus criados para violar computadores ou celulares. Um dos alvos principais do momento são as movimentações feitas por Pix. Trata-se de um efeito colateral do sucesso da ferramenta. O volume mensal de transações utilizando o aplicativo saltou de 410 672 reais em abril de 2021 para 2,4 milhões em dezembro de 2022.

OPERAÇÃO - Ação em Mato Grosso: bandidos atuavam em treze estados
OPERAÇÃO - Ação em Mato Grosso: bandidos atuavam em treze estados (Polícia Civil MT/.)

Desde o fim do ano passado alguns usuários do Pix começaram a estranhar um comportamento incomum da ferramenta. No grupo de vítimas, há clientes de instituições como Bradesco, Itaú e Nubank, entre outras. Depois que os especialistas em tecnologia entraram em campo, descobriu-se que a anomalia era provocada pelo malware BrasDex, criado especialmente para agir em transações por Pix. Ele acaba sendo instalado no sistema Android do celular após o usuário clicar em mensagens ou links suspeitos. Em seguida, atua de forma escondida na tela para mudar o valor e o destinatário da transferência. Os devidos alertas foram emitidos para inibir a proliferação do malware e a situação está hoje sob controle, garantem autoridades. “Apesar dos problemas recentes, o Pix continua sendo uma ferramenta segura”, diz o delegado Thiago Chinellato, titular da 4ª Divisão de Crimes Cibernéticos da Polícia Civil de São Paulo.

COMBATE - Delegacia em São Paulo: necessidade de mais investimentos
COMBATE - Delegacia em São Paulo: necessidade de mais investimentos (Governo do do Estado de São Paulo/.)

O investimento dos bandidos na criação de malwares como o BrasDex é uma prova de que o cibercrime mudou de patamar no país. Há tempos os golpes on-line deixaram de ser um negócio praticado apenas por hackers solitários. Quadrilhas especializadas nesse tipo de fraude entraram de forma pesada no mercado e estão mais organizadas e preparadas, o que torna o combate aos crimes cada vez mais difícil. Na última terça-feira, 7, a Polícia Civil de Mato Grosso cumpriu 54 mandados de prisão preventiva e 43 de busca e apreensão contra uma organização criminosa que aplicava golpes virtuais em pelo menos treze estados. “O cibercrime evoluiu muito, de modo a ser considerado uma parte do crime organizado em uma escala mundial”, explica Cláudio Dodt, especialista em cibersegurança e proteção de dados e sócio da Daryus Consultoria. Autoridades de São Paulo afirmam que o cibercrime está se tornando um braço de atividade do Primeiro Comando da Capital, o PCC.

Continua após a publicidade

Com a entrada no circuito de criminosos com maior poder de fogo, as novas tecnologias são transformadas rapidamente em novas armas a serviço deles. Ferramentas de inteligência artificial como o ChatGPT já estão sendo usadas por golpistas para criar códigos maliciosos ou para aprimorar os golpes. “O ChatGPT virou ferramenta para melhorar a credibilidade do discurso, escrever textos sem erros ortográficos e até para construir novas ameaças”, diz Gustavo Monteiro, diretor do AllowMe, empresa especializada em segurança digital.

Para as vítimas, o cenário atual é um tanto quanto desolador, já que os bancos não são considerados responsáveis pelos golpes e as plataformas digitais se eximem da culpa. Segundo a advogada Elaine Keller, especialista em direito digital, uma situação frequente é “ganhar, mas não levar” — a Justiça reconhece o direito da vítima à indenização, mas não os responsáveis por indenizá-la. “O grande desafio hoje é a produção de provas digitais”, explica Elaine. “Os casos acabam virando estatísticas e sendo usados como agenda para o debate público e privado.” Enquanto a polícia não estiver aparelhada à altura para fazer frente aos avanços dos cibercriminosos, os usuários correm o risco de ficar reféns das quadrilhas especializadas. Por isso, mais do que nunca, vale redobrar a atenção na hora de fazer operações bancárias pela internet e evitar correr atrás da primeira oferta tentadora que aparecer na tela do celular.

Publicado em VEJA de 15 de março de 2023, edição nº 2832

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.