Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Pedrinhas: dois são afastados por vídeo de preso contra Flávio Dino

Presidiário gravou imagens em que acusava rival de Lobão Filho de ligação com crime organizado. À Polícia Civil, afirmou depois ter mentido

Por Da Redação 26 set 2014, 08h35

A Secretaria de Justiça e Administração Penitenciária do Maranhão afastou na quinta-feira dois funcionários suspeitos de participar da gravação de um vídeo no qual o presidiário André Escocio Caldas acusa o candidato do PCdoB ao governo do Estado, Flávio Dino, de envolvimento com o crime organizado. Carlos Aguiar, diretor da Central de Custódia de Presos de Justiça (CCPJ) do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, e Elenilson Araújo, diretor administrativo da CCPJ, ficarão afastados de suas funções até o término das investigações, conduzidas pela Polícia Civil e pela Polícia Federal.

Em depoimento à Polícia Civil do Maranhão, o presidiário disse ter recebido promessas de libertação e remuneração em dinheiro para participar da farsa contra Dino, adversário do grupo do senador José Sarney (PMDB-AP). No vídeo, gravado na sala da direção da CCPJ com as presenças de Araújo e Aguiar, Caldas acusa Dino de envolvimento com a facção criminosa Bonde dos 40, suspeita de ter assaltado um carro-forte no campus da Universidade Federal do Maranhão (Ufema), em fevereiro.

As imagens foram postadas em uma rede social e reproduzidas pela TV Difusora, de propriedade do candidato ao governo do Maranhão pelo PMDB, o senador Edison Lobão Filho, e publicado no jornal Estado do Maranhão, pertencente à família Sarney, que apoia a candidatura de Lobão Filho. No depoimento, Caldas afirma ter mentido sobre a participação de Flávio Dino. Na quarta-feira, Dino enviou um aliado a Brasília para pedir proteção policial e a presença de tropas federais em São Luís no dia da eleição.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade