Clique e assine a partir de 9,90/mês

Os 71 órfãos da matança cotidiana dos PMs do Rio

Por trás do número alarmante de policiais mortos no Rio, estão famílias esfaceladas pela perda súbita e indignadas com tanto sangue derramado

Por Cássio Bruno - 19 Aug 2017, 08h00

Sair da frieza das estatísticas sobre a morte de policiais militares no Rio de Janeiro para o drama das famílias enlutadas é mergulhar em um poço de tristeza e desesperança, agitado de vez em quando por um vento de indignação — os três sentimentos que predominam no cotidiano das mães e pais, mulheres e maridos, irmãs e irmãos, filhas e filhos dos policiais que morrem em decorrência da violência dos bandidos.

Uma estatística é a mais dolorosa: há 71 órfãos dessa tragédia carioca de 2017. Em VEJA desta semana, conheça a história destas famílias destroçadas pela violência.

Leia esta reportagem na íntegra assinando o site de VEJA ou compre a edição desta semana para iOS e Android.
Aproveite também: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Publicidade