Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Número de mortos em Brumadinho chega a 99; 259 estão desaparecidos

Foram identificados 57 corpos até o momento. Porta-voz dos Bombeiros diz que dez mortos foram encontrados na região do refeitório da Vale na mina do Feijão

Por Redação Atualizado em 30 jan 2019, 19h20 - Publicado em 30 jan 2019, 18h44

A Defesa Civil de Minas Gerais informou no fim da tarde desta quarta-feira, 30, que subiu de 84 para 99 o número de mortos no rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho (MG). Foram identificados 57 corpos até o momento. Os desaparecidos no desastre, que eram 276 na última atualização, agora são 259.

Segundo o porta-voz dos Bombeiros de Minas Gerais, tenente Pedro Aihara, dez dos corpos foram encontrados entre ontem e hoje na região do refeitório da Vale, uma das áreas atingidas com mais violência pela onda de rejeitos de minério de ferro da barragem. A maior parte do efetivo da corporação trabalha no local.

Ainda conforme Aihara, a forte chuva que caiu em Brumadinho derrubou árvores na estrada de acesso a Córrego do Feijão. Bombeiros trabalham para desobstruí-la.

O porta-voz afirmou que a corporação ainda não trabalha com maquinário pesado na chamada “zona quente” dos rejeitos porque a lama ainda não está nas condições ideais, ao contrário dos limites da mancha. “A lama é um dos terrenos mais difíceis de se trabalhar porque, diferentemente de uma estrutura de concreto, que permite a utilização de maquinário pesado e a retirada de grandes pedaços, a lama é esse material flexível e a possibilidade é muito restrita”, disse Aihara.

Militares de São Paulo reforçaram as buscas nesta quarta e militares de Santa Catarina e Espírito Santo chegarão amanhã à cidade mineira. Um avião de apoio do governo de Goiás não será mais enviado a Brumadinho em função de uma manutenção na aeronave.

O tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador da Defesa Civil, disse que a barragem B6 do complexo, que armazena água, segue monitorada 24 horas por dia, sem risco de rompimento. Um plano de contingência, entretanto, foi elaborado de forma preventiva.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)