Clique e assine a partir de 9,90/mês

Nova lista de Janot tem cinco ministros e cabeças do Legislativo

Procuradoria-geral da República pediu a abertura de 83 inquéritos contra parlamentares e ministros citados na megadelação da Odebrecht

Por Da redação - Atualizado em 15 mar 2017, 12h57 - Publicado em 14 mar 2017, 20h25

Na nova lista de alvos da Operação Lava Jato com direito a foro privilegiado, enviada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça-feira, estão presentes pelo menos cinco ministros do governo do presidente Michel Temer. São eles: Eliseu Padilha (PMDB), da Casa Civil; Moreira Franco (PMDB), da Secretaria-Geral da Presidência; Gilberto Kassab (PSD), das Comunicações; Bruno Araújo (PSDB), das Cidades; e Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), das Relações Exteriores.

O pacote inclui ainda parlamentares de peso, como os presidentes do Senado e da Câmara, Eunício Oliveira (PMDB) e Rodrigo Maia (DEM), respectivamente. Também estariam relacionados os senadores Romero Jucá, Renan Calheiros e Edison Lobão, do PMDB; Aécio Neves e José Serra, do PSDB.

Além deles, também constam os nomes dos ex-presidentes Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva e dos ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega. Como não têm direito à prerrogativa de foro, os seus casos devem ser remetidos à primeira instância.

Os nomes são citados nas 320 peças encaminhadas por Janot ao STF por volta das 17 horas de hoje. Dessas, 83 são pedidos de abertura de inquérito, 211 declínios de competência, 7 arquivamentos e 19 outras providências, que podem ser mandados de prisão, busca e apreensão, colheita de novos depoimentos, quebra de sigilo, bloqueio de bens, entre outras diligências.

Continua após a publicidade

A nova lista, que é três vezes maior do que a primeira, enviada em maio de 2015, é baseada na delação de 77 executivos da Odebrecht. O relator da Operação Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, deve decidir nos próximos dias se instaura ou não as investigações. Devido a procedimentos burocráticos, as petições devem demorar pelo menos três dias para chegar às mãos de Fachin. 

Publicidade