Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mesmo preso, miliciano que controla Muzema foi convidado a evento da PM

VEJA obteve documento via Lei de Acesso à Informação. Cerimônia na escola de oficiais da corporação ocorreu menos de um mês depois da prisão dele

Preso desde janeiro deste ano, o major da Polícia Militar do Rio de Janeiro Ronald Paulo Alves Pereira ainda goza do prestígio da corporação. Apontado pelo Ministério Público como miliciano que controla a comunidade da Muzema, na Zona Oeste do Rio, onde dois prédios caíram na última sexta-feira 12, Ronald foi convidado para um evento na Escola Superior da PM, realizado no dia 11 de fevereiro, menos de um mês depois de sua prisão.

Documento obtido por VEJA via Lei de Acesso à Informação mostra que Ronald Pereira foi citado em um boletim da PM assinado pelo secretário de estado de Polícia Militar, Rogério Figueiredo, para que se apresentasse para assinar um documento do Curso Superior da corporação, realizado em 2018. Por razões óbvias (está preso, atualmente em penitenciária de segurança máxima), o major não compareceu. Mesmo sob custódia, seu salário segue sendo depositado regularmente: em fevereiro, último dado disponível no portal da transparência fluminense, Ronald recebeu 18.898 reais referentes ao posto de major.

Vinte pessoas já foram encontradas mortas desde que os prédios caíram na Muzema. Quando foi preso, em janeiro, no âmbito da Operação Intocáveis, do Ministério Público, Ronald estava de posse de plantas de imóveis que seriam construídos na região. As investigações também revelaram que ele carregava documentos para loteamento de terrenos, evidências do domínio que o major exercia sobre o esquema de construções irregulares na região – como VEJA mostra em detalhes na edição desta semana.

Além da participação e da liderança na milícia, Ronald Pereira também é réu pela tortura e morte de quatro jovens que saíam de uma casa de shows na Baixada Fluminense, em dezembro de 2003. O caso ficou conhecido como a “chacina da Via Show”. Três meses depois, o então capitão recebeu uma moção de louvor “por serviços prestados” do à época deputado estadual Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro e hoje senador pelo PSL.

Ronald é considerado um dos mais importantes integrantes da milícia que controla, além da Muzema, a comunidade de Rio das Pedras, também na Zona Oeste carioca. O grupo está em expansão e é liderado pelo ex-capitão da Polícia Militar Adriano Magalhães da Nóbrega, que está foragido. Ambos são suspeitos de integrar o Escritório do Crime, grupo de matadores de aluguel que estaria por trás de homicídios ocorridos no Rio de Janeiro nos últimos 20 anos, e que até hoje não foram esclarecidos.

A PM não comentou o convite feito ao major Ronald, o fato dele receber salários mesmo preso, e nem informou se a corporação já abriu processo para expulsá-lo.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Aloizio Barros

    Rio de Janeiro…o último que sair, apague a luz, pelo menos.

    Curtir