Clique e assine a partir de 9,90/mês

Mesmo após chuvas, volume do Cantareira volta a cair

Manancial atingiu o nível mais baixo de sua história, 3,5% da capacidade total; chuvas deste domingo não foram suficientes para amenizar a seca

Por Da Redação - 20 out 2014, 12h06

O Sistema Cantareira atingiu nesta segunda-feira o nível de 3,5% da capacidade total, o patamar mais baixo já registrado na história do manancial. As chuvas fracas que atingiram a Região Metropolitana de São Paulo na tarde de domingo não conseguiram amenizar o cenário. Em relação ao dia anterior, a queda foi de 0,1 ponto porcentual, um ritmo menor que o observado durante a semana, quando a redução vinha sendo de 0,2 pontos percentuais ao dia.

De acordo com a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o sistema contou com 23,9 milímetros de chuva neste domingo, levando a pluviometria acumulada em outubro a alcançar 24,3 milímetros. Esse volume ainda representa menos de 20% da média histórica para outubro, de 130,8 milímetros.

Os dados divulgados pela companhia não são atualizados nos canais oficiais desde a última sexta-feira. Recentemente, a Sabesp que passou a disponibilizar as informações apenas na página da empresa no Facebook. Oficialmente, a empresa diz que a falta de atualização no site trata-se de um problema tecnológico, mas fontes afirmam que a página está sendo preparada para a incorporação dos dados da segunda parcela do volume morto.

Leia também:

Continua após a publicidade

Água pode acabar em novembro, diz presidente da Sabesp

Sabesp omitiu possibilidade de rodízio de água em relatório para investidores estrangeiros

Com outubro seco, déficit do Cantareira sobe 16% no mês

Na última sexta, a Agência Nacional de Águas (ANA) informou que concordou com o pedido da Sabesp para uso do volume adicional, mas disse que a utilização deve ocorrer mediante a autorização de “parcelas sucessivas“, iniciando com o volume necessário até 30 de novembro, que ainda deve ser informado à agência.

Continua após a publicidade

Segundo a Sabesp, com a autorização oficial – que ainda depende de um acerto final entre a ANA e o Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE) – o sistema adiciona 106 bilhões de litros, o que corresponde a uma adição de 10,7% no nível de armazenamento do Sistema Cantareira.

Outros mananciais – Também foram registradas chuvas em outros mananciais que atendem a Grande São Paulo. Mas o volume não foi suficiente para evitar a redução dos reservatórios. O Sistema Alto Tietê registrou nesta segunda-feira 8,8% de armazenamento, ante os 9% de domingo. O Sistema Guarapiranga registrou queda de 0,1 ponto percentual em relação a domingo, para 43,2%. O Alto Cotia baixou para 31%, o Rio Grande perdeu 0,3 pontos, para 72,1%, e o Rio Claro recuou 0,7 pontos, registrando 48,6%.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade