Clique e assine a partir de 9,90/mês

Menino de 11 anos é encontrado em cela de preso por estupro no PI

Garoto foi deixado pelos pais após visita ao detento, que era conhecido da família, e foi localizado por agentes escondido debaixo da cama da prisão

Por Da Redação - 3 out 2017, 16h34

Um garoto de 11 anos foi encontrado debaixo da cama de um detento – que responde por estupro e homicídio – em uma cela da Colônia Agrícola Major Cesar Oliveira, no sábado (30), no município de Altos, norte do estado do Piauí. Segundo o Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí (Sinpoljuspi), responsável por denunciar o caso, os carcereiros, após suspeitarem da ação de um dos presos, foram verificar um dos prédios da unidade e encontraram a criança.

“O menino foi resgatado pelos agentes. Encontraram o garoto debaixo da cama do preso”, disse o vice-presidente do sindicato, Kleiton Holanda. Ainda de acordo com ele, o garoto foi deixado na cela pelos seus pais, que haviam ido visitar o prisioneiro, que era um conhecido da família.

“De acordo com uma testemunha, os pais teriam deixado o filho fora do horário de visita”, afirmou Holanda. A unidade em que o menino foi encontrado fica separada do prédio principal da penitenciária, onde estão detentos que podem sair para trabalhar em uma horta. “Não existe fiscalização nesse prédio, o que facilitou muito a entrada dos pais com o garoto sem chamar a atenção das autoridades locais”, disse. Segundo a Secretaria de Justiça do Piauí (Sejus), a visitação de crianças sem parentesco com o detento – como é o caso do menino – só é permitida se houver autorização do estado, o que não ocorreu.

A criança foi submetida a exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML), em Teresina, onde foi constatado que não houve conjunção carnal ou qualquer outro tipo de violência sexual.  A secretaria iniciou uma investigação do caso, que deverá ser concluída em, no máximo, 30 dias. A Polícia Civil também apura o episódio. O secretário de Justiça, Daniel Oliveira, se reunirá nesta quarta-feira com o Conselho Tutelar de Teresina para discutir a questão.

Publicidade