Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mais de 150.000 estão sem abrigo próprio

O número é 90,6% maior do que o registrado na tragédia de 2008. Chuvas afetam 860.338 em todo o estado

Já são 156.626 os desalojados e desabrigados por conta das chuvas em Santa Catarina ─ 145.586 tiveram que deixar suas casas e 11.040 perderam as residências. O número é 99% maior do que o registrado na tragédia de 2008. Naquele ano, os desalojados e desabrigados somavam 78.707. De acordo com o último balanço da Defesa Civil do estado, divulgado às 17 horas deste sábado, 929.133 pessoas foram afetadas por enchentes, deslizamentos de terra ou alagamentos.

Até agora, três pessoas morreram ─ uma em Guabiruba e duas em Rio do Sul. Em 2008, foram 137 mortos. De acordo com o major Márcio Luiz Alves, da Defesa Civil catarinense, o número de mortes neste ano é menor porque não ocorreram tantos deslizamentos de terra. “Há três anos, os deslizamentos de terra foram responsáveis por 97% das mortes”, diz Alves. Em 2008, mais de 4.000 barrancos vieram abaixo. Neste mês, foram 137.

O número de municípios atingidos pelas chuvas subiu para 91. Desses, 38 permanecem em estado de emergência e quatro decretaram calamidade pública. As cidades de Aurora, Benedito Novo, Laurentino, Rio do Oeste e Taió foram “severamente atingidos pelas chuvas”, informou a Defesa Civil, mas não fazem parte da relação do órgão porque não “conseguiram comunicar os dados”.

Agronômica, Brusque, Ituporanga e Rio do Sul decretaram calamidade. As 38 cidades em estado de emergência são: Alfredo Wagner, Angelina, Araquari, Bocaina do Sul, Botuverá, Caçador, Canelinha, Correia Pinto, Herval D’Oeste, Içara, Ilhota, José Boiteux, Leoberto leal, Lindóia do Sul, Lontras, Mirim Doce, Major Gercino, Monte Castelo, Navegantes, Papanduva, Petrolândia, Pouso Redondo, Porto União, Presidente Getúlio, Rio das Antas, Rio dos Cedros, Rodeio, Santa Terezinha, São Domingos, São João Batista, Santo Amaro da Imperatriz, Tijucas, Timbo, Trombudo Central, Vidal Ramos, Videira e Witmarsum. A capital Florianópolis também está na lista. O estado de emergência permite ao município receber recursos federais e adquirir intrumentos (como carros e máquinas) com mais facilidade.

Embora a forte chuva tenha cessado, os estados de emergência e calamidade ainda vigoram. A população ainda deve permanecer em alerta, principalmente quanto aos deslizamentos de terra, por conta do solo encharcado. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, neste sábado Santa Catarina amanheceu entre nuvens, mas com pouca probabilidade de mais chuva. A mínima é de 12ºC e a máxima é de 26ºC.

Estradas ─ Um trecho na altura do quilômetro 74 da BR-116, na região de Monte Castelo, está interditado por conta do transbordamento do Rio Canoinhas, na madrugada deste sábado. No quilômetro 249, na região de Lages, o fluxo de veículos segue pelo sistema Pare/Siga, com implantação de semáforos, devido às chuvas na região. O nível do rio deve abaixar até o fim do dia. Os motoristas devem desviar pela BR-280, sentido Canoinhas e Porto União, na altura do quilômetro 12.

LEIA TAMBÉM:

Mais um capítulo da tragédia

O horror diante dos olhos

Três mortos nos últimos cinco dias em Santa Catarina