Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Investigação da PF liga recursos do Pronaf a campanhas do PT gaúcho

Polícia Federal quebrou sigilo de 107 contas bancárias e concluiu que houve desvio de 104 milhões de reais entre 2006 e 2012

Por Da Redação 22 out 2014, 09h42

A Polícia Federal investiga esquema de fraude envolvendo desvio de dinheiro do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), que teria alimentado campanhas eleitorais do PT no Rio Grande do Sul, segundo informou o jornal Folha de S. Paulo nesta quarta-feira.

A Operação Colono produziu um inquérito enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de envolvimento de um deputado federal com foro privilegiado, Elvino Bohn Gass (PT), reeleito neste ano. Quando o caso foi enviado ao STF, a juíza Karine da Silva Cordeiro disse que o envolvimento de Bohn Gass estava evidente no relatório.

Segundo o inquérito da PF, recursos do Pronaf, liberados como empréstimos contraídos no Banco do Brasil em nome de agricultores, entrava em contas da associação Aspac, de Santa Cruz do Sul (RS). De lá, o dinheiro foi enviado a contas pessoais de dirigentes e ex-dirigentes ligados à associação.

Durante a investigação, a PF quebrou o sigilo de 107 contas bancárias e inferiu que 26.000 depósitos foram responsáveis pelo repasse de 104 milhões de reais no período de 2006 a 2012. Pelo menos 85 milhões de reais eram do Pronaf. Outro petista que recebeu o dinheiro oriundo da entidade, segundo a PF, foi o vereador Wilson Rabuske, que recebeu 700.000 reais e sua mulher, 324.000 reais.

Leia também:

A 33 dias da eleição, governo triplica recursos para jovem do campo

Aécio diz que pretende criar ‘Superministério’ da Agricultura

Continua após a publicidade
Publicidade