Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Grupo no WhatsApp é acusado de estimular suicídio entre jovens

A polícia de Goiás investiga a morte de três adolescentes que fariam parte do The H4ters

A polícia de Goiás já investigava a morte de três adolescentes que tinham cometido suicídio no estado quando, no dia 15 de março, Mikaio Alves Jorge, de 18 anos, decidiu procurar a delegada Sabrina Lelis para dar um depoimento aterrador. Vinte dias antes, ele havia ido ao enterro de Higor Pires Moreira, que se matara aos 15 anos de idade. À polícia, Mikaio contou que, como ele, Higor participava de um grupo virtual batizado de The H4ters (Os Odi4dores). Sua finalidade: estimular e desafiar seus integrantes a tirar a própria vida. Estudioso e descrito como um jovem carinhoso com os pais e a namorada, Higor, afirma a família, mudou de comportamento após entrar para o The H4ters. “Ficava o dia inteiro no computador e não queria mais sair com os amigos”, conta o pai, Onilton Pires Moreira. Na tarde de 21 de fevereiro, o jovem pediu à mãe para faltar à aula de inglês. Ela assentiu, mas logo depois notou que o filho estava cambaleante. Em seu quarto, encontrou seis cartelas vazias de remédios para pressão alta. Enquanto a mãe, apavorada, telefonava para o marido para pedir ajuda, Higor saiu de casa. Os pais tentaram, em vão, encontrá-lo nas redondezas ou na casa de amigos. Vinte e quatro horas depois, o menino foi achado enforcado na despensa da casa vizinha, que estava desocupada.

Os diálogos – Mensagens trocadas entre membros do The H4ters e uma das jovens que se mataram em Goiânia

Os diálogos – Mensagens trocadas entre membros do The H4ters e uma das jovens que se mataram em Goiânia (//Reprodução)

Em depoimento prestado à polícia, Ana Julia, ex-namorada de Higor, afirmou que ele se cortava com frequência e vinha falando em se matar. Antes de sair de casa, deletou todos os arquivos de seu computador, orientação comum dos grupos de estímulo ao suicídio, segundo a polícia.

Os quatro fundadores do grupo são conhecidos pelos apelidos que usam no Facebook: Igor Akbar, Emerson Akbar, Gabriela Akbar e Saymon Akbar. Na descrição do grupo na internet, eles se dizem uma “família”.

Assine agora o site para ler na íntegra esta reportagem e tenha acesso a todas as edições de VEJA:

Ou adquira a edição desta semana, a partir desta sexta-feira, 30 de março de 2018, para iOS e Android.
Aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Sergio Campos

    Este e outros comportamentos tragicos e bizarros que são típicos das gerações jovens são resultantes da filosofia humanista adotada nas últimas decadas. Trata-se de uma filosofia centrada na (hipotética) bondade humana, proibindo toda e qualquer educação que não seja a de incentivar as todas as qualidades, talentos, e desejos do ser humano.
    Deu no que deu…

    Curtir

  2. Facebook, whatsapp, etc… o mundo perdido dos jovens de hoje. Vivem somente a realidade vista numa telinha de LCD. Falta convivência real.

    Curtir