Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Witzel celebra permanência de Mandetta na Saúde: ‘Graças a Deus’

Adversário político do presidente, governador do Rio de Janeiro afirmou que Jair Bolsonaro entendeu a gravidade do coronavírus

Por Cássio Bruno Atualizado em 7 abr 2020, 13h52 - Publicado em 7 abr 2020, 13h38

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), afirmou nesta terça-feira, 7, que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), seu adversário político, entendeu a gravidade da contaminação da população pelo coronavírus no país. Em entrevista coletiva no Palácio Guanabara, Witzel deu “graças a Deus” pela permanência do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, na pasta em meio à crise que quase acabou em demissão na segunda-feira após divergências com o Bolsonaro no trabalho de combate à Covid-19.

“Graças a Deus, o Mandetta ficou”, disse Witzel. “O presidente já entendeu a gravidade. O momento é de união e de evitar o choque de opiniões. A população não pode ficar confusa”, completou o governador referindo-se à briga, nos bastidores, entre Bolsonaro e Mandetta. O secretário de Saúde de Witzel, Edmar Santos, também defendeu o ministro.

Witzel foi um dos governadores que mais atacou Bolsonaro durante a pandemia junto com o de São Paulo, João Doria (PSDB). Em março, Witzel publicou decreto que estabeleceu uma série de medidas restritivas para o combate ao coronavírus no estado do Rio. O presidente, por sua vez, repreendeu e falou em haver uma “histeria”. “Nossa vida tem que continuar, os empregos devem ser mantidos”, ressaltou Bolsonaro à época.

O governador do Rio afirmou também que vai discutir com a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) um projeto de lei que multe a população por desobediência ao isolamento social. No último fim de semana, muitas pessoas foram vistas na orla das praias, por exemplo, e nas ruas. “Não estão entendendo o momento de gravidade que nós estamos passando”, alertou.

ASSINE VEJA

Até quando? As previsões dos cientistas para o fim do isolamento A imensa ansiedade para a volta à normalidade possível, os dramas das vítimas brasileiras e a postura equivocada de Bolsonaro diante da crise do coronavírus
Clique e Assine

Witzel anunciou ainda a flexibilização da quarentena em municípios do estado onde ainda não foram confirmados casos de pessoas com Covid-19. A medida, segundo ele, não valerá para a capital, Baixada Fluminense e Sul Fluminense. Das 92 cidades, 41 têm pacientes com a doença de acordo com o último boletim da Secretaria Estadual de Saúde. O governador lembrou, no entanto, que as prefeituras terão de fazer barreiras sanitárias para evitar a circulação de moradores de um município para o outro. “Se surgirem casos nessas localidades que ainda não registraram coronavírus, elas voltam para o isolamento”, afirmou.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)