Clique e assine a partir de 8,90/mês

Fotos às vésperas de desabamento revelam estrutura frágil

Imagens obtidas pelo site de VEJA mostram interior do prédio que ruiu e matou dez pessoas; engenheiros veem sinais de que estrutura não suportaria peso

Por Felipe Frazão e Aretha Yarak - 21 set 2013, 14h52

Fotografias feitas por operários dentro do prédio que desabou e matou dez pessoas em São Paulo revelaram, na avaliação de engenheiros, que a estrutura aparentava fragilidade e que não suportaria cargas pesadas. O site de VEJA teve acesso a fotos inéditas tiradas às vésperas da tragédia, que fazem parte do inquérito policial sobre o colapso do edifício na Avenida Mateo Bei, em São Mateus, na Zona Leste. O desabamento do prédio comercial de dois andares, no dia 27 de agosto, também deixou 26 feridos. A Polícia Civil ainda não terminou a investigação para determinar as causas e os responsáveis. A obra havia sido multada duas vezes e estava embargada.

Esta é a segunda série de fotografias que revelam o interior da obra. A primeira, mostrava o terreno na fase inicial da construção. As dez novas imagens foram registradas entre os dias 3 e 13 de agosto, por funcionários da Salvatta Engenharia, que fazia o acabamento na obra. Eles tiraram as fotos de forma amadora, com um celular Motorola XT320. À polícia, alguns relataram que a estrutura era fraca e que pensaram em parar a obra em 24 de agosto – quatro dias antes do colapso. O que não ocorreu a tempo de poupar vidas.

Dois especialistas em Engenharia Diagnóstica em Edificações comentaram as fotos a pedido da reportagem do site de VEJA. Jerônimo Cabral Fagundes Neto e Marco Antônio Gullo, ambos diretores do Instituto de Engenharia, consideraram que as imagens têm valor pericial.

Infográfico

Mapa das obras embargadas

na cidade de São Paulo

Veja se existe alguma construção paralisada próximo à sua casa ou local de trabalho e denuncie à prefeitura caso constate

trabalhadores no local

As fotos mostram detalhes do térreo e do primeiro piso – embora a planta original previsse uma edificação térrea, o prédio que ruiu tinha dois pavimentos. Nas imagens, é possível ver a dimensão do galpão comercial no térreo. O piso ainda estava por fazer, mas havia três grandes portas de ferro – que ficavam na fachada, na Avenida Mateo Bei. Um operário aparece dentro de uma ampla escavação, onde seria feito um reservatório, de acordo com fontes ligadas à investigação. Para Cabral e Gullo, a escavação é ampla demais para que fosse apenas uma sondagem ou inspeção de solo.

No andar superior, operários construíam paredes em alvenaria – e para isso, mais de 2 500 tijolos estavam armazenados neste piso. As paredes do salão superior estavam pintadas de branco e com espaços abertos para instalação de janelas. Outras paredes divisórias internas, que estavam sendo levantadas, separariam cômodos para vestiários e refeitório. Os funcionários já haviam prendido ao teto as tubulações do sistema de ar-condicionado.

As fotos evidenciam que a estrutura do prédio era baseada em um sistema com laje nervurada – isto é, com vigotas de concreto “recheadas” de isopor no meio – e não maciça de concreto, além de colunas “esbeltas”, ou seja, pilares redondos e finos. Os especialistas afirmaram que existem versões deste sistema, consagrado na engenharia civil, que suportam pesos maiores – as lajes colmeia. Mas que, em geral, lajes nervuradas e colunas “magras” são projetadas para cargas leves e para baratear custos, com economia de material.

Leia também:

Funcionários suspeitaram de risco e queriam para obra

Dono de terreno e construtora divergem sobre desabamento

Por causa dos indícios de sobrecarga no andar superior (tijolos e toras de eucalipto armazenadas e paredes construídas), os engenheiros concordaram com a suspeita dos operários: de que havia risco porque a estrutura não aguentaria o peso.

“Essa não é uma laje empregada para [sustentar] grandes cargas. A nervura é estreita. As colunas também não são robustas, são colunas esbeltas [finas]”, disse Gullo. “Eventualmente, a estrutura pode estar trabalhando no limite [de peso]. Mas sem folga. Não quero dizer que é um erro, mas é um tipo de laje usada para pequenas cargas em cima”, completou.

Cabral e Gullo ressalvaram, porém, que somente cálculos com base no projeto de engenharia, na quantidade de material estocado no piso superior e em análises de laboratório, além de visitas in loco, poderiam levar às causas do colapso com precisão.

“Temos poucos elementos para condenar ou absolver. Não tem o que condenar se tudo estiver dentro da capacidade de carga projetada”, disse Cabral. “Mas onde tem fumaça tem fogo.”

Continua após a publicidade

Ao analisar a primeira série de fotografias, com detalhes das fundações de sustentação do edifício, os engenheiros ressaltaram que os materiais e métodos de construção usados na obra são usuais no ramo. “Aparentemente é uma fundação correta”, disse Gullo. “Mas eu me atreveria a dizer que mais que dois, três pavimentos, seria muito. Não suportaria.”

Eles explicaram ser comum que, mesmo com previsão de apenas um andar na planta arquitetônica, o projeto de engenharia tenha fundações mais fortes, capazes de suportar outros pavimentos, principalmente em áreas comerciais – mais suscetíveis a uma ampliação futura na altura do edifício.

Perícia – Cabral explicou que a perícia pode seguir três caminhos para desvendar o motivo do colapso. Verificar erros de cálculo da capacidade de carga (quanto peso as vigas e colunas de sustentação poderiam suportar e quanto foi colocado sobre elas), aferir a qualidade e adequação do material usado na obra (como determinar a espessura das ferragens e traços do concreto – a composição da mistura de pedra, areia, cimento e água) e desvendar eventuais falhas de execução (como pilares que deixam de ser completamente preenchidos por concreto e ficam mais frágeis – as chamadas “bicheiras”). “É difícil ser uma coisa só. Geralmente é uma soma de fatores”, afirmou Cabral.

“A primeira etapa é medir tudo, ver a capacidade de carga. Depois, com um olho mais clínico, ver os testemunhos que sobraram, ver se tem alguma bicheira, ver a ferragem dos pilares, se a espessura é a que estava no projeto do calculista”, explicou Gullo.

“Tudo o que vemos aí não é para grandes cargas. Com esses pilares, eu diria que não daria para fazer um terceiro pavimento. Mal aguentou um. Tanto é que caiu. Mas sem os cálculos não dá para dizer se suportaria esse”, completou o engenheiro.

Pela análise das fotos, eles não descartariam nenhuma hipótese de investigação: “Visualmente não dá para descartar um subdimensionamento estrutural, problema de material ou erro de cálculo. Também não dá para descartar as fundações, porque não sabemos a profundidade e algum recalque pode ter partido uma viga. Aí o sistema todo entra em colapso”, explica Gullo.

Leia também:

Chefes de fiscalização de São Mateus são exonerados

Fiscalização de obras da cidade de São Paulo é obsoleta

Dono de obra tinha “pressa” em entregar prédio, diz arquiteta

Fiscal relata ‘acerto’ e prefeitura abre investigação por suspeita de propina

A reportagem procurou peritos que estão a cargo da investigação no núcleo de Engenharia do Instituto de Criminalística (IC), mas a Secretaria Estadual da Segurança Pública (SSP) disse que eles não se pronunciariam sobre o desabamento até a conclusão dos laudos. O prazo inicial de trinta dias termina na sexta-feira, quando a tragédia completa um mês, mas pode ser prorrogado.

Também procurado, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-SP) preferiu não comentar as imagens. Os engenheiros envolvidos na obra devem ser ouvidos na Câmara Especializa em Engenharia Civil do conselho – que se reúne uma vez por mês. O CREA-SP ainda não agendou, no entanto, a data a audiência.

Indenização – O Ministério Público do Trabalho (MPT) diz que os engenheiros responsáveis tinham conhecimento das fragilidades da edificação, mas que, mesmo cientes do risco, mantiveram os funcionários no local. A procuradoria do Trabalho argumenta que a obra chegara a ser paralisada no pavimento superior, mas que funcionários foram ainda obrigados a subir para armazenar tijolos e toras de madeira. Além disso, tiveram de manter as atividades como limpeza no térreo – e acabaram vitimados pela queda das lajes.

O MPT moverá uma ação civil por responsabilidade trabalhista objetiva a fim de reparar financeiramente os operários feridos e as famílias dos dez mortos, por “condições degradantes” e “falta de estrutura” e de segurança coletiva. Os procuradores do MPT apuram o salário pago aos trabalhadores e se eles recebiam alguma remuneração por fora, para fundamentar o pedido de indenização. Os alvos da ação são a Salvatta Engenharia (contratada para reformar o edifício e empregador dos operários mortos), o magazine Torra Torra (que abriria uma loja no prédio e havia contratado a Salvatta) e a JAMS Empreendimentos Agrícolas (empresa dona do imóvel e gerenciada pelo comerciante Mostafá Abdallah Mustafá).

O delegado responsável pelo inquérito, Luiz Carlos Uzelin – titular do 49° DP – informou, em nota, que dezoito pessoas tinham prestado depoimento até esta sexta-feira. Uzelin também disse ter solicitado “contratos e documentos da empresa de engenharia que realizava a obra para serem analisados”. “Ainda há pessoas para serem ouvidas e os engenheiros averiguados prestarão esclarecimentos. As investigações continuam”, disse por nota da SSP, sem dar prazo para a conclusão do inquérito.

Outro lado – Em nota, a Salvatta Engenharia afirma que não causou o desabamento e que iniciou o acabamento da obra certa de que a construção havia sido feita com “observância de projetos estruturais devidamente aprovados e mediante alvarás”. A empresa afirma que as vítimas “entraram em uma verdadeira armadilha”, edificada com a “enorme negligência dos proprietários que construíram o imóvel”. A empresa também culpa a Prefeitura de São Paulo de ter sido omissa na fiscalização.

A Salvatta afirma que não havia “nenhuma suspeita” de que o prédio pudesse desabar, e garante que “jamais exporia seus colaboradores a risco”. A empresa aponta como “única explicação” para o desabamento “a movimentação do solo, por falhas de dimensionamento da profundidade das fundações”. Segundo a empresa, as obras realizadas parcialmente por ela não causaram nenhum tipo de interferência na estrutura da construção. Na nota, a empresa confirma que chegou a interromper os trabalhos porque não recebeu do proprietário do terreno as plantas estruturais do prédio, nem do magazine Torra Torra o dimensionamento do futuro estoque da loja – que afirma ter solicitado.

A assessoria de imprensa da Torra Torra não respondeu os questionamentos da reportagem. O advogado Edilson Carlos dos Santos, que trabalha para o dono do imóvel e da JAMS Empreendimentos, Mostafá Abdallah Mustafá, não atendeu as ligações. Mustafá não retornou recado deixado por telefone no seu escritório.

Continua após a publicidade
Publicidade